HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA

Tópico ‘O Surrealismo: Cláudio Willer’, às páginas 991-992 de “História da Literatura Brasileira” de Carlos Nejar, editora Leya, São Paulo, 2011.
Já fui citado ou mencionado em outros livros de história da literatura brasileira – p. ex, os de Alfredo Bosi e Luciana Stegagno-Picchio –, mas este de Nejar, além de me comentar bastante, e bem (“há um rebentar de imagens que se acumulam, entrecruzam, desvairadamente” ou “a lógica não importa, mas a velocidade dos sonhos”), é o primeiro a me situar especificamente como surrealista, e a localizar surrealismo em contemporâneos brasileiros.
A seguir, páginas 993 a 995, como integrantes de uma “corrente surrealista”, estão Roberto Piva (“em versos elípticos e furiosos, profeta do sonho urbano, capturando o tentáculo e a demência da metrópole”), Carlos Augusto Lima, Floriano Martins, Péricles Prade e Sebastião Nunes.
A “História da Literatura Brasileira” de Nejar foi examinada em matéria extensa na Folha de S. Paulo, Caderno Ilustrada, de 19/03, sábado, na qual foi observada a atenção dada a contemporâneos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: