Aniversário do blog

Registrei este blog a 15 de fevereiro de 2011, apoio de Diego Marcon e Oswaldo Pepe da Artepresse. O WordPress é simples, mas sou comodista nas coisas de informática, sempre peço ajuda (Facebook, alguns dias antes, também). Comecei a postar mensagens pouco depois, a 26 de fevereiro – meu primeiro post, o anúncio da leitura de poesia no Centro Cultural São Paulo, a 15 de março.

Portanto, o blog completou um ano. Neste momento, com 16.677 acessos. Outros alcançam isso por semana, alguns chegam á cifra dos milhões de acessos. Conexão com Facebook amplia, porém é mais do que esperava. A intenção inicial: divulgar palestras, cursos, oficinas, publicações. E um currículo resumido que eu mesmo pudesse atualizar – não queria mais, na abertura de palestras e afins, ser apresentado por alguém dando informações achadas no Google que valiam até 2004.

Sabia, é claro, que também iria publicar opiniões, artigos breves, comentários. Acessos deram um salto quando me manifestei sobre a polêmica a propósito do ensino da língua https://claudiowiller.wordpress.com/2011/05/18/a-polemica-sobre-os-livro-e-as-recaidas-no-baixo-populismo/ – 194 no dia em que publiquei o comentário. Meu recorde– deve continuar por um bom tempo – é o protesto contra a censura na rede social, https://claudiowiller.wordpress.com/2012/03/04/ainda-a-censura-no-facebook/ com uns 700 leitores, 258 acessos no dia em que o postei, 250 no dia seguinte. A intervenção na polêmica sobre a Casa das Rosas também rendeu acessos. E outros temas da ordem do dia.

Publiquei artigos mais substanciosos, pelo prazer de escrevê-los – a série em homenagem a Robert Desnos, os registros dos encontros de André Breton com Pierre Mabille e Antonin Artaud (incluídos, de modo alegórico, na encenação São Paulo Surrealista da Cia. Teatro do Incêndio). O comentário sobre a atualidade do pensamento político de Allen Ginsberg.  Pretendo – ia fazer, faltou tempo –homenagear Alfred Jarry. E voltar aos beats, traduzir alguma passagem mais hilária do espantoso Beat Hotel de Barry Miles e transcrever algo de Negócios de Família, as cartas de Ginsberg e seu pai.

Além de lançar novas farpas contra a censura no Facebook – os idiotas estão censurando imagens de obras de arte publicamente expostas em museus, que podem ser acessadas por qualquer um pelo Google … ! –  em breve colocarei aqui os releases de uma nova oficina de criação, no b_arco, um curso sobre poetas da natureza no Museu da Língua Portuguesa, uma noite beat no Rio de Janeiro, na Livraria Travessa . Tudo acontecerá em abril. Aguardem. Também haverá lançamentos e publicação de artigos.

Como podem ver, jamais faltará assunto. E sempre haverá leitores – aos quais agradeço. Um dos meus bordões prediletos: o público em palestras sobre poesia e outras boas programações aumenta a credibilidade nas chances da espécie humana. Repito-o a propósito dos acessos a este blog, mesmo sabendo que tudo isso é minoritário. Porém minorias podem fazer história.

Anúncios

One response to this post.

  1. Posted by xibo4 on 11/03/2012 at 17:49

    O mun do desabando
    e eles se preocupando com nús
    Será que eles tomam banho de roupa?
    Não se tocam? Não tocam?
    Que besteira
    deviam proibir fotos de politicos, isso sim é imoral

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: