Allen Ginsberg, direitos autorais, profissionalismo e pirataria

Tempos atrás, no final de 2010, assisti na Mostra de Cinema de São Paulo ao filme Uivo (Howl) de Robert Epstein, com James Franco e Jon Hamm. É sobre Allen Ginsberg e o processo por obscenidade que o poema sofreu, em 1956. Reproduz o poema todo – para meu espanto, usaram integralmente minha tradução, aquela publicada em Uivo e outros poemas, L&PM Pocket, sem nenhum crédito. Fui pirateado. Ninguém havia falado comigo. Se me houvessem consultado, eu liberava desde que creditassem, fizessem constar meu nome e a edição da L&PM. Não fiz nada, a não ser publicar reclamações, pois era final de festival, sessão extra. Pois não é que vejo o mesmo filme programado para este próximo sábado, dia 14, às 22 h e várias exibições subseqüentes, na TV a cabo, no canal Max, canal 79 da Net? Primeiro, vou ver – pode ser que desta vez tenham utilizado outra tradução. Mas se for de novo a minha, pretendo dar um escândalo memorável, muito, muito grande – se possível, como há mais exibições programadas, tirar do ar– assim aprendem a respeitar tradutores.

Episódio contrasta com profissionalismo do pessoal – Roma Cultural – que cuidou da apresentação de I am America do Workcenter of Jerzy Grotowski e Thomas Richards no Brasil. A peça utiliza poemas de Ginsberg. Acharam-me, consultaram-me, liberei o que havia traduzido desde que creditassem e ainda acertei fazer algumas traduções novas, inclusive de “The Change – Kyoto-Tokyo Express”. Infelizmente, a peça não vem a São Paulo, gostaria de ver, mas só estará nos festivais de Rio Preto, conforme noticiado em http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,grotowski-revisitado,899689,0.htm e de Ouro Preto. Pena.

Enfim, os dois episódios mostram, novamente, que o mundo é dividido em duas categorias: gente profissional e competente, de um lado, e idiotas aventureiros e incompetentes, de outro. Uns respeitam direitos autorais; outros não.

Anúncios

18 responses to this post.

  1. compartilho absolutamente com sua indignação e eu mesmo fui vítima de tal sacanagem (ops!) – é preciso dar uma basta a estes descalabros criminosos!

    Responder

  2. Isso é incrível. Acredito que citar outros autores só engrandece o trabalho, mostrando a pesquisa realizada, enriquecendo, abrindo para outras referências e contextos. Não entendo atitudes deste tipo.

    Responder

  3. Veja só, gente ligada ao cinema, à arte, fazendo pirataria sem o menor escrúpulo..e a gente pensa que todos já aprenderam o bê-à-bá do uso da produção intelectual. quero dizer sei que os piratas estão aí em toda parte, mas a gente tem a ilusão de que em alguns nichos, considerados esclarecidos, a desonestidade não corra assim tão solta. Mas são burros em usar o poema sem citar o tradutor, logo num filme, exposto a mil olhos, naturalmente..E se insistirem, faça um escândalo mesmo e conte com mil bocas!

    Responder

  4. Posted by Ricardo Ruiz on 13/07/2012 at 21:56

    Como já disse Glauber Rocha: – “No Brasil nada se cria, tudo se copia !”

    Responder

  5. Claudio, a defesa do seu trabalho é sinal de respeito às gerações que conheceram Ginsberg através da sua tradução aqui no Brasil. Subscrevo.

    Responder

  6. pô, isso não se faz!

    Responder

    • Certamente – escândalo (claro que vou esperar para ver se fizeram isso também no que vai ser projetado na TV) é para perceberem que não é assim.

      Responder

      • Posted by Marcelo on 15/07/2012 at 18:59

        Lembre-se do caso de Lenita Esteves, que processou a Warner por terem usado sua tradução na legendagem de “O senhor dos Aneis”. Ganhou a causa e fechou acordo.

      • sim, é um bom precedente

  7. […] Quem sou, e outras preferências « Allen Ginsberg, direitos autorais, profissionalismo e pirataria […]

    Responder

  8. Posted by roberto bicelli on 16/07/2012 at 12:00

    apoiarei e testemunharei. pura picaretagem de quem deveria zelar pelo trabalho intelectual e artístico dos envolvidos.

    Responder

  9. Posted by Ulissescão on 16/07/2012 at 12:12

    Caia matandio sim, Willer! vemos acontecer esse desrespeito há mil anos. força, Ulisses Tavares.

    Responder

  10. Posted by Eliane Boscatto on 17/07/2012 at 00:20

    Isso mesmo Willer, apoiado.

    Responder

  11. Posted by DENY WILLIAMS CURY HADDAD/ADVOGADO COM MILITÂNCIA EM DIREITO AUTORAL on 26/07/2012 at 17:54

    Toda a afronta a Direitos Autorais deve ser combatida! E, dentro de meu campo de atuação, venho fazendo isto em prol de clientes, o que contribui para a inibição destas práticas e para o surgimento de uma sociedade mais justa.

    Responder

  12. Posted by leonardo on 17/10/2015 at 02:48

    Posso fazer um filme com o poema América do Allen ginsberg sem preocupar com direitos autorais ?

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: