Mais William Blake

Dando seqüência à postagem anterior, pincei esta citação de meu Um obscuro encanto: gnose, gnosticismo e a poesia moderna:

Não sei de nenhuma outra Cristandade e de nenhum outro Evangelho a não ser a liberdade de ambos, corpo & mente, para exercer as Divinas Artes da Imaginação, Imaginação, o Mundo real & eterno do qual este Universo Vegetal não passa de uma sombra fugidia, & no qual viveremos em nossos Corpos Eternos ou Imaginativos quando estes Corpos Mortais Vegetais não mais existirem. Os Apóstolos não conheciam nenhum outro Evangelho.

Bonito, não é? Transpira sinceridade. É de Jerusalém, dos últimos livros de Blake, de 1820 (ele morreria em 1827, aos 70 anos), publicado postumamente. Está no Blake completo, a edição Keynes, à pg. 716.

Mais uma citação – esta é de de Novalis, contemporâneo de Blake, também muito romântico, muito místico, muito religioso:

Mas o verdadeiro poeta sempre permaneceu um sacerdote, assim como o verdadeiro sacerdote sempre permaneceu um poeta – e não deveria o futuro nos trazer de volta esse antigo estado de coisas? […] No mundo antigo, religião já era até um certo ponto o que se tornará para nós – poesia prática.

É dos escritos filosóficos, os fragmentos de Novalis.

Não adiantaria panfletar, distribuir cópias às portas dos templos nos quais candidatos tentam contabilizar apoios – este tem a Universal, aquele a Mundial, aquele outro a Renascer e alguns padres…  –  para mostrar que a relação deles com religião é a mesma da subliteratura com a literatura. Mas seria uma boa intervenção anarquista.

Para enriquecer as entradas (tags) ‘rebelião religiosa’ e ‘anarquismo místico’, o poema de Ginsberg, “Kral Mahales”, cuja tradução já havia postado aqui:

https://claudiowiller.wordpress.com/2012/04/08/um-poema-de-ginsberg/

Voltarei a falar – e a escrever – sobre tudo isso.

Anúncios

6 responses to this post.

  1. Ler seus textos é uma viagem. Gosto como arranja os fragmentos. Tem um modo especial de escrever, mesmo ensaios ou textos acadêmicos, sem perder a poesia. E que poema do Ginsberg, traduzido por vc, no link. MARavilha!

    Resposta

  2. Sempre enriquecedor as postagens do grande poeta Willer. Vivenciar Blake, Novalis, Baudelaire, Thomas de Quincey, Wat, Artaud entre outros é uma fonte inesgotável de saber e vida. ” Na noite sou uma luz, vendo velas se ascender, quando vejo sumi, nasci, nasci em você”. Joaquim Mattar

    Resposta

  3. Deus poesia natureza humanidades, tudo, infinitamente amalgamado na ideia da unicidade.

    Antes do Big Bang estava tudo junto, depois da explosão a separação e a eterna busca pelas partes que faltam, e que nos faltam.

    Beijo! mais um belíssimo post!

    Lu

    a propósito: não uso mais reticências, percebeu? rsrs

    Resposta

  4. Posted by Eiane Boscatto on 25/09/2012 at 01:06

    Lindo! Conheci William Blake há pouco tempo em um livro que li, e depois ouvi seu nome novamente frequentando as oficinas de surrealismo. Achei essa citação que também gostei muito, como tudo dele: O homem não tem um corpo separado da alma. Aquilo que chamamos de corpo é a parte da alma que se distingue pelos seus cinco sentidos. Concordo com ele, é um engano tentar dissociar o corpo da alma sob pena de se desperdiçar emoção.

    Resposta

  5. Posted by Ruth on 25/09/2012 at 11:45

    Maravilha! Amei! E muito oportuno mesmo. Beijos.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: