Hakim Bey para manifestantes

Recebi um manifesto do Black Bloc, a fração anarquista mais ativa (“vândalos”, ao que consta, e “barderneiros”, dizem). Deu-me vontade de postar algo de Hakim Bey. Um trecho de Caos: terrorismo poético e outros crimes exemplares. De modo evidente e declarado, dá seguimento a propostas de intervenção do movimento dadá e do situacionismo. Lembra-me também passagens de Coxas de Roberto Piva – apreciador de Hakim Bey, mas com um detalhe: o que vem a seguir foi escrito entre 1984/86, e Coxas é de 1978.

Voltarei a postar sobre as manifestações. Pequeno debate no Facebook após minha ironia sobre o caráter oportunista desta de hoje, das centrais sindicais, me motivou. Manifestações de junho foram o acontecimento mais importante no Brasil, nos últimos anos. Estão provocando um abalo. Também acho que tem gente discutindo redes sociais e internet sem haverem entendido sequer a complexa relação entre mídia tradicional e opinião pública.  Aguardem.

Hakim Bey, que também tem obras publicadas como Peter Lamborn Wilson, é um erudito de elevado calibre. Estudei bastante as conexões de anarquismo, rebeliões religiosas, antinomismos e misticismos divergentes: nesses tópicos, é fonte confiável, sólida. Deveria ser mais lido.

O que vem a seguir são os dois primeiros manifestos do capítulo 2 de Caos:

COMUNICADOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A ANARQUIA ONTOLÓGICA

COMUNICADO I ( PRIMAVERA DE 1986 )

I. Slogans & Motes para Pichar no Metrô & para Outros Propósitos

COSMOPOLITISMO DESENRAIZADO
TERRORISMO POÉTICO
(para rabiscar ou carimbar em outdoors publicitários:)
ESTE É O SEU VERDADEIRO DESEJO
MARXISMO-STIRNERISMO
ENTRE EM GREVE PELA INDOLÊNCIA & BELEZA ESPIRITUAL
CRIANCINHAS TÊM PÉS LINDOS
AS CORRENTES DA LEI FORAM QUEBRADAS
PORNOGRAFIA TÂNTRICA
ARISTOCRATISMO RADICAL
GUERRILHA URBANA PARA A LIBERTAÇÃO DAS CRIANÇAS
XIITAS FANÁTICOS IMAGINÁRIOS
BOLO’BOLO25
SIONISMO GAY
(SODOMA PARA OS SODOMITAS)
UTOPIAS PIRATAS
O CAOS NUNCA MORREU

Alguns desses slogans da Associação para a Anarquia Ontológica (AAO) são “sinceros”, outros têm como objetivo despertar temores & apreensão pública – mas não sabemos bem qual é qual. Nossos agradecimentos a Stalin, Anon, Bob Black, Pir Hassan (ao seu nome ser mencionado, que reine em paz), F. Nietzsche, Hank Purcell Jr., “P.M.” & irmãos Abu Jehad al-Salah do Templo Islâmico de Dagon.

II. Algumas Idéias Poético-Terroristas que ainda Continuam em Triste Languidez no Reino da “Arte Conceitual”
1. Entre na área dos caixas eletrônicos do Citibank ou do Chembank numa hora de muito movimento, cague no chão & vá embora.
2. Chicago, Maio de 1886: organize uma procissão “religiosa” para os “mártires” do Haymarket – grandes faixas com retratos sentimentais coroados com flores & transbordando de fitas & lantejoulas, carregadas por penitentes vestidos em trajes com capuzes negros no estilo KKKatólico – escandalosos & efeminados acólitos de TV borrifam a multidão com água benta & incenso – anarquistas com rostos emplastrados de cinzas flagelam-se com pequenos relhos & chicotes – um “Papa” de túnica negra abençoa minúsculos caixões simbólicos carregados reverentemente para o cemitério por punks chorosos. Um espetáculo desse tipo deve ofender quase todo mundo.
3. Cole em lugares públicos um cartaz xerocado com a foto de um lindo garoto de 12 anos, nu & se masturbando, com o título bem à vista: A FACE DE DEUS.
4. Envie elaboradas & requintadas “bênçãos” mágicas pelo correio, anonimamente, para pessoas ou os grupos que você admira, por exemplo, por sua capacidade política ou espiritual, por sua beleza física ou por seu sucesso no mundo do crime etc. Siga o mesmo procedimento descrito no item 5 a seguir, mas utilize uma estética de bons votos, amor ou felicidade, o que for mais apropriado.
5. Rogue uma praga horrível contra uma instituição maligna, tal como o New York Post ou a empresa MUZAK. Aqui, uma técnica adaptada dos feiticeiros da Malásia: envie para a empresa um pacote com uma garrafa tampada & selada com cera negra. E dentro dela: insetos mortos, escorpiões, lagartos & coisas do tipo; um saco com terra de cemitério (“gris-gris” na terminologia vodu), junto com outras substâncias nocivas; um ovo perfurado por pregos & alfinetes de ferro; um pergaminho onde está desenhado um emblema (veja página 78).

(Esse iantra ou veve invoca o Djim27 Negro, a sombra do Eu. Detalhes completos podem ser obtidos na AAO.) Um bilhete explica que a bruxaria é contra a instituição & não contra os indivíduos – mas, a menos que a instituição deixe de ser maligna, a praga (como um espelho) começará a infectar as dependências com um destino terrível, um miasma de negatividade. Prepare um “comunicado” explicando a maldição & atribuindo a sua autoridade à Sociedade Poética Americana. Envie cópias para todos os empregados da instituição & para a mídia. Na noite anterior à chegada dessas cartas, cole nas paredes da instituição cópias do emblema do Djim Negro em locais que sejam visíveis a todos os empregados quando eles chegarem ao trabalho pela manhã.

(Nossos agradecimentos novamente a Abu Jehad & a Sri Anamananda – o Castelão Mouro do Belvedere Weather Tower – & aos outros camaradas da zona autônoma do Central Park & do Templo Número 1 do Brooklyn.)

Anúncios

One response to this post.

  1. Bruxaria contra instituições eu topo!!! rs. Um bj!

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: