Adeus, ecocéticos

Sairam, no Estadão de hoje, matérias sobre resultados do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas:

http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/node/47543

Será desconfortável, convenhamos, o calor aumentar em 6 graus.

Há mais:

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,mar-ja-esta-com-nivel-mais-alto,1072754,0.htm

Pobres praias, pobre litoral.

Brasil melhora em índices de desmatamento – ou seja, desmatam menos. Mas nossa matriz energética pode acarretar um desastre, com a aposta no petróleo extraído do pré-sal. Que tal, ao menos, ligarem aquele parque eólico no Ceará, há meses pronto para funcionar, à espera de conexão à rede elétrica? E ampliarem iniciativas como o aproveitamento da biomassa, a exemplo do que está sendo feito no lixão do Gramacho, no Rio de Janeiro? Além disso, mudanças na matriz energética dos Estados Unidos, com a extração de combustível pelo fracionamento do xisto, provocarão um abalo geopolítico nos próximos dez anos. Provavelmente, reduzirão interesse econômico da extração de petróleo através da perfuração em níveis mais profundos, e a exploração de reservas no pré-sal pode revelar-se, literalmente, um furo n’água.

Havia publicado, aqui, observações sobre a revista Veja divulgar, sistematicamente, críticas à hipótese do aquecimento global. Incluem pronunciamentos de ecocéticos (como sempre, valem-se de teorias conspiratórias: é para prejudicar a economia de mercado), uma pesquisa da Universidade de Reading questionando os indicadores de aquecimento global, e até mesmo observações sobre as recentes ondas de frio, como se não comprovassem que o aquecimento é acompanhado por eventos extremos.

Pois bem: mudaram. Matéria desta semana, “A espiral fatal do degelo”, sobre o derretimento da calota polar, chega a ser catastrofista. O urso polar se extinguirá, o nível do mar subirá muito, a liberação de gás pelo derretimento esquentará mais ainda a atmosfera.  Tanto melhor. Renderam-se à evidência.

A propósito dos meios de comunicação que, frequentemente, cito aqui: acompanho-os como sociólogo. Não vou ignorar uma revista com a espantosa tiragem de 1.300.000 exemplares por semana. Dispenso publicações que sejam um mero espelho do que acho ou já sei. É claro que também acompanho as que adicionam, a exemplo de Pesquisa, da FAPESP, entre outras. E gostaria que suplementos e revistas culturais não encolhessem ou desaparecessem tanto.

Anúncios

2 responses to this post.

  1. Os ecocéticos esturricaram neste verão, o lucro deles tb vai esturricar com o tempo porque recursos naturais vão se exaurindo, industriais não funcionam sem energia que, por sua vez, depende de rios que tb estão secando. Pena que o ceticismo e a ganância atinjam toda coletividade. Há relatórios que pintam um cenário desolador já para 2050.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: