Surrealismo em Portugal – e também no Brasil

Acabo de receber, de Portugal, A IDEIA revista de cultura libertária: II série – vol. 16 – n.º 71-72 – Outono de 2013, com matérias sobre surrealismo em Portugal acrescidas de um artigo meu sobre surrealismo no Brasil. É dirigida pelo poeta e ensaísta Antonio Candido Franco, da Universidade de Évora, autor de O rumor da língua (editora Vega 1996) e Notas para a compreensão do surrealismo em Portugal (editora Licorne 2012), exemplos de um ensaísmo vertiginoso. A meu ver, Antonio Candido Franco é um dos representantes, junto com o italiano Roberto Calasso, de uma renovação da crítica através de obras substanciosas, instigantes e não-burocráticas.

Em vez de comentar a revista, reproduzo o índice, para que tenham uma idéia do que contém, seguido pelas instruções de como adquiri-la. Mais em HTTP://aideialivre.blospot.com e editoralicorne.blogspot.com. Ah, sim – mais uma observação: mesmo com a crise econômica, verbas para a cultura zeradas, continuam ativos em Portugal, como o demonstram publicações e o extenso programa de manifestações sobre Mario Cesariny, também em Évora.

A IDEIA revista de cultura libertária
Índice:
Declaração: A Ideia em perspectiva 6
I SURREALISMO EM PORTUGUÊS 15 Mário Cesariny Carta a Afonso Cautela 17 Cruzeiro Seixas Carta Inútil e Comunicação quase Automática sobre D. Sebastião. 19 Alfredo Margarido Os últimos inéditos 23 João Rui de Sousa Parafraseando Mário Cesariny 28 Albano Martins Dívida a Cruzeiro Seixas 30 António Salvado O Café Gelo e as Folhas de Poesia 33 António de Macedo Lima de Freitas: a surrealidade do Graal 36 Pinharanda Gomes António Maria Lisboa: uma gnoseologia lógico-poética 51 Afonso Cautela Surrealismo & Surrealistas 59 Fernando Grade Ao Surrealismo disse tudo 69 Nicolau Saião Mário, Ele Próprio e Nós Outros 73 Maria Estela Guedes I. Carlos Eurico da Costa 78 II. Herberto Helder – é e não é um poeta surrealista 79 Pedro Martins De Telmo a Herberto, os Passos em Volta 82 Júlio Conrado Mário Henrique Leiria – o Vizinho surreal 91
Gabriel Rui Silva Casos de Direito Galático – Mário Henrique Leiria 97 João Freire Mário Botas e Pedro de Sousa 101 José Manuel de Vasconcelos Mário Botas e o Surrealismo 103 José Maria Carvalho Ferreira Em Memória de Mário Botas 110 Sofia A. Carvalho Leituras do Inferno em Ernesto Sampaio 112 Almerinda Pereira Luiz Pacheco – a Vida num Biscate 120 Claudio Willer O Surrealismo no Brasil 128 Paulo Jorge Brito e Abreu Poesia de António Maria Lisboa 137 Carlos Mota de Oliveira Carta a Cruzeiro Seixas 140 Pela mão da noite – a Artur Cruzeiro Seixas 142 Pessoa escutou atentamente Cesariny 142 Isabel Guimarães MA-NIF-EST-SUR-REAL-IN-i ! 144 Luiz Pires dos Reys Da ossóptica guilhotina-err:o próprio dos novos amorosos 145 Jorge Telles de Menezes Extensão do Rossio – a António Maria Lisboa 147 Amadeu Baptista Cinco Saltos com os Surrealistas 148 Alexandre Vargas Alexandre O’Neill e Mário Cesariny 150 João Carlos Raposo Nunes Para Antº. Barahona da Fonseca 151
Nunes da Rocha Petição (segundo Ângelo de Lima) 152 Carta (entreaberta) ao Galimar da rua da Emenda 153 Abel Neves [fragmento] 155 Délio Vargas Torres 156 Manuel Silva Ramos A poesia é quem mais ordena o fogo cruzado 158 Sobre Ernesto Sampaio 163 Fernando Cabral Martins Mário Cesariny: uma arte de cordel 166 António Cabrita Capelas Imperfeitas: a Festa da Inteligência 170 Maria de Fátima Marinho O Surrealismo e o Real Quotidiano 173 Fernando B. Martinho Lembrança de António José Forte 179 Carlos J. Figueiredo Jorge À Memória de António José Forte 182 António José Forte Cem Anos de Anarquismo 186 Virgílio Martinho Café Gelo – Retratos 187 Manuel G. Simões Carlos Loures, a Pirâmide e o Café Gelo 189 António Cândido Franco André Breton, Libertário e Automatista 193 Pirâmide – uma revista do surrealismo português 203 Ruy Ventura O surrealismo e as suas consequências absolutas 208
João Mendes de Sousa À Procura de Al Berto 213 Rui Sousa Dois Textos 216 Nádia Silvestre “Não vos inquieteis, é a realidade que se engana” 222 António Gonçalves O Centro de Estudos do Surrealismo 225 Miguel de Carvalho O Surrealismo Hoje 227 Sumário Cronológico do Surrealismo Português 230 Documento (Her de Vries e Laurens Vancrevel) 235
II ENTREVISTA Maria Teresa Horta entrevistada por Fabio Mario Silva 236
III NOTAS & COMENTÁRIOS 239 Jorge M. Colaço Louis Lecoin 240 João Freire e Paulo Guimarães O projecto MOSCA 245 António Cândido Franco Biblioteca “Textos Livres” 248 Joaquim Palminha Silva Manifesto Anti-Turístico 250
IV Arquivo & Registo 253
Colaboradores 281

A revista A Ideia é uma publicação em papel, sem fins lucrativos ou comerciais, que não se destina sequer ao grande circuito livreiro comercial; vive dos donativos dos colaboradores e leitores. A revista é enviada a um grupo de pessoas que acompanha o seu trajecto desde há anos, ou mesmo décadas, e que cobre regularmente o seu envio através dum donativo.
Atribui-se um valor simbólico a cada exemplar – 20 € para número duplo – e que se destina em exclusivo a compensar os custos da edição. Contra este ou outro donativo o editor compromete-se a fazer o envio da revista por correio postal – que pode ser encontrada também em depositários (v. ficha técnica). O leitor em falta pode conferir no final desta página a sua situação para com a revista, agradecendo-se, caso possa, o envio do donativo.
A revista pode ainda ser enviada pela primeira vez, e sem solicitação, a um destinatário. Pretende-se nesse caso sondar o seu interesse sobre a publicação. Em caso afirmativo, solicita-se o envio do donativo pelos meios indicados, bem como indicação escrita da sua intenção para o responsável editorial (acvcf@uevora.pt), para que se proceda de futuro ao envio da revista; caso contrário, agradece-se que se assinale para o mesmo endereço a rejeição do envio, de modo a suspender a expedição. Neste caso o destinatário não é obrigado à devolução do exemplar recebido.
Estimula-se a permuta com outras publicações afins e sempre que isso aconteça a revista será expedida com uma indicação expressa: oferta para permuta. Há porém casos – bibliotecas públicas, municipais ou outras – em que a revista é enviada a título gracioso, sem solicitação de permuta. Os colaboradores têm direito a um exemplar gratuito da publicação em que estão presentes, o que não obsta a que, podendo e desejando, contribuam de forma voluntária com um donativo para o seu prosseguimento.
**
Os donativos podem ser liquidados do seguinte modo:– envio de cheque, ao cuidado de antónio cândido franco, para rua Celestino David n.º 13-C, 7005-389 Évora, Portugal. – transferência bancária à ordem da conta com o seguinte nib: 00350 73400014449400 13
informação ao “apoiante”: o último donativo corresponde ao número ___.
DESEJA-SE PERMUTA. PIDESE CANJE. ON DEMANDE L’ ÉCHANGE. CHIEDESI SCAMBIO. WE ASK FOR EXCHANGE. MAN BITTER UM AUSTAUSCH.

Anúncios

One response to this post.

  1. Ótima revista. Surrealismo vivíssimo em Portugal!

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: