“Pipol Cronópios”, xxx…? abril de 2015

Pipol 11150562_781537518566237_7435755084144909471_n

11048760_1563551527260333_7453297671907482065_n

Ninguém parece saber o nome de batismo, nem a data de nascimento (em tempo: Jim Duran, colega do grupo “Pirataria poética”, informa que se chamava José Waldery). Morte inesperada e incongruente, ao operar apêndice. Nasceu em Tupã, mas o conheci em Bauru, em 1986, por ocasião de uma Bienal do Livro que teve lugar lá. Integrava um grupo de jovens poetas independentes. Enviou trabalhos para o extinto jornal Leia, onde cuidava de uma página de autores novos. Gostei e publiquei. Voltei a encontrá-lo em algum momento da década de 2000, quando, junto com Edson Cruz, criou Cronópios, remetendo á espécie inventada por Julio Cortázar, de criaturas libertárias – foi anarquista,anti-autoritário – em contraposição aos famas, organizados e burocráticos. Sem dúvida, pela riqueza da pauta, pelo incrível aproveitamento dos recursos digitais, pela capacidade de acompanhar debates e eventos culturais, Cronópios é o melhor dos portais de internet.
Procurar saber quem são os sucessores, estabelecer contato com familiares, alguém dispor-se a preservar o incrível acervo. Dar prosseguimento me parece difícil, pelas próprias características de Pipol: era único, inimitável. Mas, o que puder ser feito, estou à disposição, quero colaborar.
Como me registrou. Já em 2007, a extensa entrevista comigo na FNAC. Pouco depois, o vídeo do lançamento de “Geração beat”. Um dos mais recentes, o video do lançamento de “Os rebeldes: geração Beat e anarquismo místico”, na Martins Fontes. Os poemas em estúdio na sessão preparada por Valdir Rocha. E em uma quantidade de outras ocasiões. Ponto alto, a entrevista no estúdio dele – em 2011? – bem irreverente, eu a soltar baforadas de cigarro ao final.
Isso, além da quantidade de artigos que publiquei em Cronópios– sobre cinema e geração beat, ele que propôs. Colaborei em sua série sobre Eder Jofre, tema que o fascinava.
Veio aqui em casa, ensinou-me a operar com imagens (aprecio a tecnologia digital, mas sou inepto). Estava com uma quantidade de slides meus, dos anos de 1960, que digitalizava aos poucos, alguns divulguei aqui, outros continuam com ele.
Entre outros projetos que desenvolvia, preparava um documentário sobre Roberto Piva, assistido por Roberto Bicelli. Quase pronto, que eu saiba, faltando finalização e montagem.
ISSO NÃO PODE PERDER-SE. TEM QUE SER PRESERVADO. Falar com amigos, verificar como pode ser dado prosseguimento, embora Pipol seja evidentemente insubstituível.
Amostras – que permaneçam:
http://cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=5819 – os poemas em estúdio
http://cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=5835 – vídeo ‘a fila boa’
https://www.youtube.com/watch?v=aSRH3LJX0HM – a entrevista irreverente em que fumo ao final
http://cronopios.com.br/site/ensaios.asp?id=5788 artigo sobre surrealismo no Brasil
http://cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=5760 – a ‘noite beat’
http://cronopios.com.br/site/critica.asp?id=5458 e http://cronopios.com.br/site/critica.asp?id=5456 – os artigos sobre geração beat e cinema
http://cronopios.com.br/site/noticias.asp?id=5276 – série completa de minhas homenagens a Robert Desnos
http://cronopios.com.br/site/critica.asp?id=5127 – a resenha de Paranóia que não foi publicada em 1963
http://cronopios.com.br/site/ensaios.asp?id=4849 – comentado por Paulo Sposati Ortiz
http://cronopios.com.br/site/ensaios.asp?id=4708 – minha resenha de JAA Torrano
http://cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=4044 – o lançamento de “Geração Beat”
http://cronopios.com.br/site/poesia.asp?id=3900 – performance de Lautréamont com João Andreazzi
http://cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=2952 – entrevista e matérias de 2007
Há mais. muito mais. Pipol foi generoso. Cronópios, uma casa de portas abertas.
Trabalhos do próprio Pipol, registrados por Paulo Sposati Ortiz: http://cronopios.com.br/site/ensaios.asp?id=4804
 

Anúncios

16 responses to this post.

  1. Posted by célia musilli on 16/04/2015 at 17:46

    Como homenagear um amigo por seu valor humano e potencial criativo? Acho que o pseudônimo que Pipol Cronópios usava corresponde exatamente à sua sensibilidade, ímpar: “Em contrapartida os senhores cronópios são os possuidores de certo órgão em vias de extinção no homem atual: o órgão que permite a visão e a percepção da formosura.”
    (Alejandra Pizarnik sobre os cronópios de Cortázar)

    Responder

  2. Posted by waldemir marques.- on 16/04/2015 at 17:56

    … há quase seis anos, com a maior das generosidades, Pipol começou a acolher Minhas literatices no Cronópios, sempre tendo para cada uma palavras de simpatia… nesse tempo, deixei por lá pouco mais de uma duzia de contos… no último ano & meio tive de Me afastar por problemas familiares & Pipol sempre mantendo contato & Me “cobrando” novas participações, apesar de solidarizar-se com Meu momento difícil… & agora ele se vai dessa maneira repentina… Eu deveria ter conversado mais com ele…

    Responder

  3. Posted by roberto bicelli on 16/04/2015 at 17:56

    o filme sobre o Piva está praticamente completo e Pipol já publicou um teaser sobre ele.
    planejávamos filmar, com gustavo benini, sendi moraes e mario pironi, a cena final no mar grande , onde as cinzas do piva foram lançadas, em meio a mantras budistas ditos pela mário. vinhamos combinando isso com o gustavo, que é sucessor legal do Piva.
    gravamos juntos algumas entrevistas: héctor babenco, antonio bivar, suzana cano, fernando naporano, vera corralero, oswaldo vecchione (da banda made in brazil) e outros que neste momento esqueci (desculpem).
    o tremendo talento do Pipol, seu trato preciso e amigo, sua postura artística, o tornam inesquecível.

    Responder

    • Posted by roberto bicelli on 16/04/2015 at 19:33

      Pipol fimou quase todo o espetáculo de dança “Paranóia” de Ana Bottosso e elenco.
      É um dos grandes momentos do filme.

      Responder

    • Posted by roberto bicelli on 16/04/2015 at 19:36

      Pipol filmou quase todo o espetáculo de dança “Paranóia” de Ana Bottosso e elenco.
      É um dos grandes momentos do filme sobre Roberto Piva

      Responder

  4. Que pena essa morte tão prematura. Fico com a impressão de que nesses últimos anos houve uma aceleração nas perdas de pessoas fundamentais. O portal Cronópios já é um monumento, um arquivo histórico que precisa ser mantido a todo custo. Qual o tamanho do espaço físico necessário para mantê-lo funcionando? Quem sabe a Casa das Rosas não poderia acolhê-lo…

    Responder

  5. Estou ainda precisando processar,pois faz pouco, jantamos juntos em um evento na Vila Madalena. Ele muito bem, conversamos muito sobre Edição de vídeos,e agora sem mais nem menos ,tudo se apaga,é tudo muito esvoaçante,onde viver é só o sopro do vento e la se vai um pequeno facho de luz que ousou ser Pipol

    Responder

  6. Posted by Ruth Sá on 16/04/2015 at 22:11

    Que coisa a vida! Um piscar, e já não somos mais… Parabéns, Willer, pelo seu incansável amor à causa da literatura.

    Responder

  7. Triste perda, meu amigão, até sugeri o nome H2Horas de um projeto dele, participamos de alguns eventos e entrevistas juntos. Alma fina, mente brilhante, zen, uma perda e tanto. Estamos órfãos de amigo. Mais um que perdi, como Donizete Galvão, Rodrigo de Souza Leão…

    Responder

  8. Posted by Elizabeth lorenzotti on 17/04/2015 at 18:17

    fará falta e tao jovem!Date: Thu, 16 Apr 2015 19:31:13 +0000 To: elizabethlorenzotti@hotmail.com

    Responder

  9. Posted by Luiz Roberto Guedes on 18/04/2015 at 16:34

    Ele se chamava José Eugênio. Extraí essa confissão dele, certa noite, em algum evento na Casa das Rosas. Não me lembro o dia do aniversário, e olha que eu sempre pergunto.

    Responder

  10. Posted by Maria Alice de Vasconcelos on 21/04/2015 at 00:07

    Acabo de saber do falecimento de Pipol e estou muito triste, é uma pena que tenha partido precocemente. Deixa muitas saudades pelo ser humano incrível que era. Sua contribuição à Literatura estará em nossa memória e também será sempre lembrada através do Portal Cronópios e de seus projetos.

    Responder

  11. Posted by Rsy Silveira on 01/08/2015 at 13:29

    BELA E MERECIDA homenagem. Mas faltou o fundamental: de que mesmo morreu o Pipol?

    PS – Caro Claudio Willer
    Como se faz para se cadastrar no seu blog?
    Ou se trata de um grupo fechado?

    Responder

    • inesperadamente durante uma operação do apêndice que parecia simples. cadastrar, tem o botão ‘seguir’ ou ‘follow’ no canto inferior da página. duas opções, para quem é do wordpress ou para quem quiser receber e-mails. abraço

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: