POESIA E XAMANISMO NO SESC DE SANTO ANDRÉ

My beautiful picture

Serão quatro encontros. Não faltará assunto.

QUANDO: Aos sábados, dias 24 e 31 de março, 7 e 14 de abril. Horário, das 15 às 16h20 (o informe do SESC traz das 15 às 16 h, mas acho pouco)

ONDE: R. Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar, Santo André – SP, fone (11) 4438-9819, (11) 4469-1200, email@santoandre.sescsp.org.br, Facebook www.facebook.com/SESCSantoAndre, Site sescsp.org.br/santoandre

INFORMA O SESC – SANTO ANDRÉ:

O que é um xamã? A que modalidades de magos, feiticeiros e sacerdotes se aplica o termo? Até que ponto alguns poetas podem ser identificados a xamãs e o que em suas obras justifica essa associação?

O ciclo de encontros, divido em quatro partes não sequenciais,  mostra de que modo temas e traços do xamanismo podem ser encontradas em uma diversidade de autores, desde Dante Alighieri, passando por William Blake, Gérard de Nerval e Rimbaud, até modernos e contemporâneos como Jorge de Lima, Antonin Artaud, Vicente Huidobro, Herberto Helder, Michael McClure, Gary Snyder, Jerome Rothemberg e Roberto Piva.

Claudio Willer é poeta, ensaísta e tradutor, ligado à criação literária mais rebelde, ao surrealismo e geração beat. Livros recentes: A verdadeira história do século 20, poesia (Apenas Livros, Lisboa, 2015); Os rebeldes: Geração Beat e anarquismo místico, ensaio (L&PM, 2014); Manifestos, 1964-2010, (Azougue, 2013), Um obscuro encanto: gnose, gnosticismo e a poesia moderna (Civilização Brasileira, 2010); Geração Beat (L&PM Pocket, 2009); Poemas para leer en voz alta (Andrómeda, San José, Costa Rica, 2007); Estranhas Experiências, poesia (Lamparina, 2004). Traduziu Lautréamont, Allen Ginsberg, Jack Kerouac e Antonin Artaud. Publicado em antologias e periódicos no Brasil e em outros países. Presidiu a UBE, União Brasileira de Escritores, em vários mandatos. Doutor em Letras na USP, onde completou pós-doutorado. Deu cursos, palestras e coordenou oficinas e outras atividades em uma diversidade de instituições culturais.

Na Sala de Múltiplo Uso.

Ilustrei desta vez com uma foto que tirei no Parque Nacional do Xingu em 1967 – quando conheci Takumã, pajé camaiurá, um xamã legítimo.

One response to this post.

  1. […] via POESIA E XAMANISMO NO SESC DE SANTO ANDRÉ — Claudio Willer […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: