Posts Tagged ‘Centro Cultural do IEL-Unicamp’

A nova data para minha palestra sobre Luis Buñuel

Será dia 13 de outubro, terça feira, às 18 h. Seguida pela projeção de Viridiana, assim encerrando o ciclo Buñuel do Centro Cultural do IEL-Unicamp com o filme de 1961, premiado com a Palma de Ouro do Festival de Cannes daquele ano.

Portanto, após minha aula de surrealismo no mesmo local, na mesma data, das 14 às 16 h.

É que, com minha ida a São Luis, MA na próxima quarta feira – conforme o noticiário willeriano no post anterior (a comemoração dos 60 anos da leitura beat na 6 Gallery) – ficaria complicado eu me materializar em Campinas no dia seguinte, conforme originariamente programado. Agradeço ao prof. Paulo Vasconcellos a gentileza de providenciar a nova data.

Já publiquei algo sobre Buñuel:

http://www.tertuliaonline.com.br/postagem/ver/326

Ampliarei.

A seguir, a programação do ciclo e uma das belas imagens de Viridiana, a sátira da Santa Ceia – ninguém poderá queixar-se de falta de blasfêmias na obra dele:

facebook

6y6cR5v

 

O Bebê Cadum irá a Campinas, à Unicamp, após ser aclamado em Londrina, na UEL

bebe cadum3_n

Apresentarei e comentarei o personagem de Liberdade ou Amor! de Robert Desnos durante o curso Surrealismo: uma poética do delírio, já anunciado aqui, no Centro Cultural do IEL-Unicamp. Relatarei novamente seu combate com o boneco Bibendum, feito de pneus. Da narrativa de Desnos, também poderemos acompanhar a visita do Corsário Soluço ao Clube dos Bebedores de Esperma e outras belas passagens.

Impressionou em Londrina, e repetirei em Campinas, a projeção da minha tradução de “União livre” acompanhada pela gravação da leitura do poema pelo próprio André Breton (tem no Youtube). Assim como trechos de Os cantos de Maldoror de Lautréamont com projeção de colagens de Max Ernst. E imagens de arquiteturas e casas surrealistas. Em Londrina, apesar de ser uma cidade nova, sem anacronismos, foi achada uma casa surrealista. Houve aproximação de parques e jardins da cidade do Norte do Paraná com o parque das “Buttes Chamont” de O camponês de Paris de Louis Aragon. Uma ponte sobre um dos lagos lembrou a “ponte dos suicidas” (mostrei) do parque invadido por Aragon, Breton e Marcel Noll. Impressionaram O abraço do polvo, o filme comentado em Nadja; e Peter Ibbetson.

A tecnologia está aí para que façamos um uso surrealista dela.

Lembrando, o curso de surrealismo no auditório do Centro Cultural do IEL – Unicamp começa na terça feira, dia 01 de setembro. Segue, todas as terças feiras, por oito semanas. Não se preocupem – já dei cursos de surrealismo de 12 sessões, e cursos de 8 sessões que foram prolongados para 12 por sugestão de participantes.

Mais informações: https://claudiowiller.wordpress.com/2015/07/20/curso-de-surrealismo-na-unicamp-no-centro-cultural-do-iel/

Inscrições gratuitas, através de e-mail para a Secretaria de Extensão do IEL: seee@iel.unicamp.br

Evidentemente, poesia e criação poética são centrais. Mas, além de tratar de outros campos, artes visuais, cinema, objetos, arquiteturas, etnografia, Portugal (indispensável), Brasil etc, quero avançar na relação de surrealismo e vida, no seu caráter “de empreendimento prometeico, totalizante”, no dizer de Jacqueline Chénieux-Gendron. Daí o comparecimento do Bebê Cadum e demais personagens e figuras que acabo de mencionar.

O cinema incendiário de Luis Buñuel no Centro Cultural do IEL – Unicamp

Vejam que beleza: ciclo sobre Buñuel com projeções e palestras. Programação excitante.

IMPRIMIR

Falo sobre ‘Viridiana’, filme decisivo para repor Buñuel em circulação mundialmente. Ponto alto em blasfêmias – cena da sátira da Santa Ceia é inigualável –,visão pessimista do mundo, ataques à hipocrisia burguesa e ao restante.

viridiana images

Situarei em sua colossal contribuição.

Já havia postado algo sobre Buñuel. Este artigo:

http://www.tertuliaonline.com.br/postagem/ver/326

E este comentário:

https://claudiowiller.wordpress.com/2015/06/09/luis-bunuel-para-reacionarios-do-tipo-religioso/

 

Minha palestra “Roberto Piva, poeta do corpo”

QUANDO: Dia 04 de agosto, às 14 h.

ONDE: Auditório do Centro Cultural do IEL, Unicamp

Venham. Transmitam a interessados.

My beautiful picture

My beautiful picture

Abrirá o ciclo “A literatura erótica, da Antiguidade até nossos dias”. Ou seja, o coordenador, Paulo Vasconcellos, preferiu inverter a série cronológica e começar por “nossos dias”. A programação, ampla e instigante, já havia sido divulgada neste blog:

https://claudiowiller.wordpress.com/2015/07/03/ciclo-a-literatura-erotica-da-antiguidade-aos-nossos-dias/

Estou preparando um “paper”, organizando o que há para ser dito sobre literatura erótica a propósito de Piva. inclusive quantas vezes ele declarou que “a poesia é a mais fascinante orgia ao alcance do homem” e “a poesia se faz na cama, como o amor”, citando André Breton, assim como “poesia é subversão do corpo”, citando Octavio Paz. Transcrevo, a seguir, trecho de entrevista de Piva por Fábio Weintraub, publicada na revista Cult em maio de 2000, no qual ele rebate a contraposição entre delirar e escrever bem (aliás, uma falsa antítese que também se encontra no modo como Mário de Andrade lia e avaliava Rimbaud…):

CULT – Você vive afirmando que não acredita em poeta experimental sem vida experimental, que faz os poemas com “o que sobra da orgia” propondo uma identificação entre sujeito poético e sujeito empírico. Não obstante, há vários leitores seus, como o poeta Felipe Fortuna, para quem o bom resultado alcançado por você deve-se menos à radicalidade de experiências tematizadas por você (homoerotismo, drogas etc.) que ao “bom arremate literário” dado àquelas experiências. Como você encara tal tipo de leitura?

Piva – É aquilo que diz o Octavio Paz: “há uma única forma de se ler os jornais e várias formas de se ler um poema”. Cada pessoa enxerga uma coisa diferente na minha poesia, pois, no fundo, ela é muito rica e permite uma enorme variedade de interpretações. A qualidade do arremate literário não exclui a radicalidade das experiências que estão na origem do poema. Mas acho que essa valorização excessiva da fatura pode revelar certo preconceito contra o dionisismo, a idéia de que o dionisismo é algo superficial. Está errado. O dionisismo é uma das religiões mais profundas que já existiram. Basta ver que uma das suas manifestações produziu o teatro. Quer mais do que isso? Dionísio é o deus do teatro. As artes da aparência empalideceram diante de uma arte que  proclamava a sabedoria na sua própria embriaguês. Donde a estética cabaço, atuando nas mais diferentes escolas literárias pelo Brasil afora. Vivemos num país profundamente dionisíaco, onde os intelectuais têm preconceito contra as manifestações espontâneas, criativas. Mesmo o fato de me enquadrarem na poesia marginal, dos anos 70, tem a ver com isso.

Mais em: http://revistacult.uol.com.br/home/2010/08/entrevista-roberto-piva/

Vejam também: http://www.memorial.org.br/cbeal/arte-em-palavras/roberto-piva/entrevista-com-roberto-piva/

Curso de surrealismo na Unicamp: no Centro Cultural do IEL

Vejam que beleza. Será meu curso mais extenso de surrealismo desde aqueles de pós na USP em 2010 e de 2011/2012 para o Teatro do Incêndio, que tiveram 12 sessões. Utilizarei o mesmo tratamento do recente curso nos Corpos Nômades, com bastante recursos visuais, porém detalhando, avançando. E também farei isso em outras localidades e instituições, a serem divulgadas em breve. O ano de 2015 está sendo produtivo.

Surrealismo-facebook 

Parabéns à equipe do Prof. Paulo Vasconcellos pelo bom gosto dos cartazes digitais.

Postarei também nova divulgação, em breve, da minha palestra “Roberto Piva, poeta do corpo”, dia 04/08, abrindo o excitante ciclo sobre erotismo no mesmo local. E divulgarei programa deste curso.

Venham. Agradeço divulgação enfática.

 

Ciclo “A literatura erótica, da Antiguidade aos nossos dias”

Vejam que beleza de programação do Centro Cultural do IEL-Unicamp. Se pudesse, assistia a tudo, além de, obviamente, estar lá como conferencista na palestra de abertura, sobre Roberto Piva. Parabéns aos organizadores, Paulo Vasconcellos e colaboradores. Observem que é tudo no auditório do Centro Cultural do IEL (vai lotar…), exceto a sessão no Cinema da Casa do Lago. Também no mesmo Centro Cultural do IEL-Unicamp tenho outras aparições programadas, este semestre: surrealismo e mais surrealismo.

 Erótico-PALESTRA-FACE

04 de agosto, às 14h: Claudio Willer – “Roberto Piva, poeta do corpo”.

11 de agosto, às 18h. Atenção: no cinema da Casa do Lago: Eliane Robert Moraes (USP) –  “Meninas perversas, putas filósofas: a erótica de Hilda Hilst”.  19h30 Apresentação teatral. Atenção: no cinema da Casa do Lago. Glauce Guima em “O caderno rosa de Lori Lamby”.

18 de agosto: 17h. –  Cláudio Aquati (Unesp) apresenta o romance Satiricon e comenta o filme de Fellini. 18h. – Projeção do filme Satyricon de Fellini.

19 de agosto,  às 14h: João Angelo Oliva Neto (USP) – “A voz amorosa de Priapo nas Priapeias grega e latina”.

20 de agosto, às 14h: Ricardo Pacheco (psicanalista, OUTRARTE) e  Maria Teresa Lemos  (psicanalista- OUTRARTE)  – “Do boudoir à república: o blackout sadiano”

24 de agosto, às 14h: Maria Claudia Maia (psicanalista. Movimento Freudiano, RJ) fala sobre o romance “Lolita” de Nabokov.

25 de agosto, às 14h: Alcir Pecora (Unicamp) – Bocage, rei dos brejeiros

28 de agosto, às 17h: Mesa-redonda  SEXUALIDADE, SUBJETIVIDADE  E ESCRITA  Palestrantes: Gabriela Natália da Silva (Lola Benvenutti), autora do livro O prazer é todo nosso; Daniela de Paula (Dommenique Luxor), autora do livro Eu, Dommenique; Debatedora: Gleice Antonia Moraes Alcântara  (doutoranda PPGL-UFSCAR).

31 de agosto, às 14h: Ana Claudia Romano (UNIFESP) – “Umana cosa: o Decameron em textos e ilustrações”.

1 de setembro, às 18h: Pedro de Souza (UFSC) – “Sobre o erótico e o pornográfico nas narrativas homoeróticas”. Após a fala, haverá exibição do filme “Querelle”.

15 de setembro, às 18h: Mesa-redonda sobre “Piriguismo”. Palestrantes: Ni Brisant e  Luiza Romão. Mediação:  Jessica Balbino (mestranda, IEL).

Local: Miniauditório do Centro Cultural do IEL, Unicamp (exceto dia 11 de agosto).

Organização: Monica Zoppi Fontana (PoEHMaS), Lauro Baldini (PoEHMaS) e Paulo Vasconcellos

Coordenador me informa: “Como sempre, tudo gratuito e aberto  a quem quiser.” Se eu fosse público, chegava antes, intuição me diz que vai lotar…