Posts Tagged ‘Centro Cultural São Paulo’

A demissão de Claudio Daniel da curadoria de literatura do Centro Cultural São Paulo: uma petição

Claudio Daniel relata a demissão da curadoria de literatura do Centro Cultural São Paulo em seu blog:
http://cantarapeledelontra.blogspot.com.br/2014/04/relatorio-de-gestao.html
Um abaixo-assinado, dirigido ao Secretário Municipal de Cultura, expressa o que pensamos a respeito:
http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR71380
Achei ofensivo. Ele trabalhou um bocado. Com recursos muito escassos, além de suportar a pesada burocracia, tirou leite de pedra. Demitir desse jeito é falta de consideração com relação a ele e para quem freqüentou ou se apresentou. Por causa de algum ‘desentendimento administrativo’, interromperem uma programação de qualidade. Ninguém está nem aí para o que nós, participantes e freqüentadores, queremos ou esperamos.
Havia aberto essa programação, em fevereiro de 2011, lendo meus poemas para um público, segundo o Centro Cultural, de 130 pessoas. Retornei como espectador, leitor de poemas, participante em mesas ou conferencista. De modo evidente, havia-se consolidado um espaço para a poesia. Descontinuá-lo é retrocesso. Por isso, peço que assinem e divulguem.
Sobre paradoxos da política, farei alguns comentários outro dia. Ou não – talvez não haja paradoxos, apenas uma consistente e crescente mediocridade.

Anúncios

Palestra sobre Henri Michaux no Centro Cultural São Paulo, na próxima quinta feira, dia 10 de abril

Será ás 20:30 h, na sala de debates. Na programação ‘Poetas de cabeceira’, conduzida por Claudio Daniel.
Há tempos, desde a década de 1990, venho recomendando a editores a publicação de Connaissance par les Gouffres de Michaux. Interessaria a dois públicos, sobrepostos: o de criação poética avançada e aquele dos estados alterados de consciência.
Serviria também publicarem Miserable Mirâcle, que teve repercussão ampliada pelo belo prefácio do agora centenário Octavio Paz sobre alucinógenos. Ou L’infini turbulent, além de outros títulos de sua obra extensa. Enfim, Michaux circula pouco no Brasil, levando em conta sua importância e repercussão.
Também mostrarei que Michaux já era assim, criava desse modo, antes de tomar mescalina. Comentarei tópicos de sua obra extensa: os poemas de glossolalias como Inji, a obra visual, os relatos de viagem e narrativas anti-realistas, a poética e visão de mundo.
Centro Cultural São Paulo: Rua Vergueiro, 1.000. Metrô Vergueiro. Sala de debates: é a que fica nos fundos, para quem vem da estação do metrô, ou na frente, para quem vem da Paulista. Para quem ficar de braços abertos olhando para o Centro Cultural, é à esquerda. Já para quem se deitar na calçada… ou quem passar correndo…. enfim, ainda farei outras variações surrealistas, não faltarão ocasiões.

Lautréamont no Centro Cultural São Paulo: nova palestra

Será na próxima sexta feira, dia 17 de janeiro, às 20:30 h, na série Poetas de Cabeceira, conduzida por Claudio Daniel, assim iniciando a temporada lírica na cidade (lembrando, abri essas boas programações de poesia no Centro Cultural há exatos três anos, e espero ter, desta vez, a mesma afluência de público).

Utilizarei algo de uma palestra, “Lautréamont, leitor de Baudelaire” que apresentei em 2013 em Goiânia (VIII Colóquio Filosofia e Literatura, Faculdade de Filosofia, Universidade Federal de Goiás, a 17 de maio de 2013), e ainda não foi publicada (logo será). Trarei, portanto, alguma novidade, complementando o que já disse e já publiquei em Os Cantos de Maldoror, Poesias e Cartas – Lautréamont: Obra completa (Iluminuras) e outras ocasiões, com mais interpretações ousadas, além da leitura e comentários de passagens edificantes e instrutivas.

Como sabem, o Centro Cultural São Paulo São Paulo fica à Rua Vergueiro 1.000. É servido pelo metrô, estação Vergueiro. Sala de debates é naquele canto mais próximo da Paulista, naquele piso superior, naquela primeira entrada de quem vem do Paraíso

O informe na programação do Centro Cultural São Paulo:

Poetas de Cabeceira: Lautréamont

dia 17/1 – sexta – das 20h30 às 22h
Claudio Willer fará uma palestra sobre o poeta francês Isidore Ducasse, o conde de Lautréamont, autor de Os cantos de Maldoror, obra precursora do movimento surrealista.
Entrada franca – sem necessidade de retirada de ingressos
Sala de Debates

Em tempo: este blog tem 225 seguidores / assinantes. QUERO MAIS. Premam o botão “seguir” / “follow”. Obrigado.

Três poemas e uma leitura

Corrijo a postagem anterior em que reproduzi poemas meus apresentados na leitura de da sexta-feira dia 25 de janeiro no Centro Cultural, o Menu de Poesia. Três, e não dois, agradaram especialmente, pela qualidade da leitura e originalidade da escolha.

Um deles, havia atribuído a leitura a Máh Luporini; mas foi escolhido e lido por Paulo Sposati Ortiz: é parte de uma série mais longa, “Escritos ontem”, de Estranhas Experiências; uma poética ou declaração de princípios. Máh Luporini apresentou “A chegada do tempo”, outro poema menos evidente, mas que foi valorizado pela leitura. Mantenho, formando um lírico trio, “Persona”, escolhido por Célia Musili da série “Cinemas”, do próximo livro, A verdadeira história do século 20: 100% inédito, nunca apresentado em público.

Haverá mais:

A CHEGADA DO TEMPO

 outono feito de ar 
e suas comemorações invisíveis 
a vida mais leve em abril, soma dos demais meses 
o céu, suave vórtice 
mundo de movimento de nuvens 
modulações da claridade 
mensagens de chuva e vento 
música silenciosa vibrando no corpo 
luz acariciante aos domingos pela manhã 
escrever é matar-se aos poucos 
deixar de ser 
            alegremente 

 

ESCRITOS ONTEM

[…]

3

o Sol será nosso                                                         pois o merecemos
o centro do universo fica aqui
resistimos                                                                             
pelo sagrado direito ao sonho                       
e todos os seus mundos        
resistimos                                                                             
operações mágicas continuarão lícitas
     neste dia de sombras vivas que se confundem com a alma                                     
todos os seus desejos se realizarão
o que você pedir lhe será dado                     
profecias se cumprirão
outros poemas

 

PERSONA

os monólogos,
sempre
os monólogos:
são como sonhos que flutuam, o profundo os atrai,
              eles repetem:
que a condição humana é um modo da indecisão
               ou um pedido de desculpas por estar aí
“o sonho desesperançado de ser”: vertigens
e também aquela extrema elegância das coisas que eram realizadas na década de 1960
            assim como a perfeita linguagem das mãos
           e os rostos com a limpidez das piscinas ao sol
isto é cinema tátil:
                 foi criado para ser percebido pelos sentidos secretos da imaginação
                    a tela produz palavras: fogo negro, insolação ancestral, vertigem
                                                 – eu sou a tela
(agradeço ao diretor por inspirar-me o mais hermético dos meus poemas)

As fotos de Emerson Moino Martins, documentando:

http://www.flickr.com/photos/76292171@N04/sets/72157632633225546/

Transmitem credibilidade.

Menu de Poesia: recital dedicado à minha poesia no Centro Cultural São Paulo, dia 25 de janeiro

Não sei o que vai acontecer.

Serei um espectador.

Tudo me surpreenderá.

Quem organizou foi Maria Alice de Vasconcelos, que faz a programação Menu de Poesia. Conforme o que está publicado na página do Centro Cultural São Paulo, terá as seguintes atrações:

Menu de poesia

dia 25/1 – sexta – das 20h30 às 22h

Recital poético dedicado à obra do poeta brasileiro Claudio Willer, um dos autores mais expressivos da poesia surrealista do Brasil, com organização de Maria Alice Vasconcelos e participação dos poetas Roberto Bicelli, Celso de Alencar, José Geraldo Neres, Célia Musilli, Contador Borges, Lelia Maria Romero, Edson Bueno de Camargo, Célia Ábila, Paulo Ortiz, Liz Reis e Claudio Daniel.

Entrada franca – sem necessidade de retirada de ingressos. Praça Mário Chamie (Bibliotecas)

Lembrando: Centro Cultural São Paulo, à Rua Vergueiro, 1.000 (estação Vergueiro do metrô)

Venham. Divulguem. Desde já, agradeço a Maria Alice e aos poetas que se dispuseram a ler ou a comentar meus poemas – e a todos que vierem, é claro.

Leitura de poemas: meu próximo livro

No próximo dia 10 de março, quinta-feira, às 19 h, eu me apresentarei na série Clube de leitura de poesia no Centro Cultural São Paulo (sala de debates). Lerei pela primeira vez em público os poemas do meu novo livro, intitulado A verdadeira história do século XX. Farei entrega simbólica dos originais a Antonio Vicente Seraphim Pietroforte, da editora Demônio Negro.
Em seguida, convidados lerão poemas: Antonio Vicente Seraphim Pietroforte, Chiu Yi Chich (Winner Chiu) que anunciará o lançamento, de Naufrágios, Analu Andrighetti, Ariane Alves dos Santos, Conceição Bastos, Daniel Franção Stanchi, Lelia Romero, Marcelo Ariel e Neli Vieira. A sessão será aberta ao público.
Venham.

SERVIÇO:
Clube de leitura de poesia, dia 10/3 – quinta-feira, às 19h: Claudio Willer
CENTRO CULTURAL SÃO PAULO: Rua Vergueiro 1000 – CEP 01504-000 telefone 3397 4002 Paraíso São Paulo – SP (Metrô Estação Vergueiro). http://www.centrocultural.sp.gov.br/ Local: Sala de Debates. Entrada franca.
O Centro Cultural convida a cada mês um poeta para leitura de poemas e uma conversa com o público. Após a apresentação há um sarau livre no qual autores presentes poderão ler seus textos. (duração da sessão: 90 minutos)

Agradeço divulgação, retransmissão e todas as demais manifestações de interesse e simpatia.