Posts Tagged ‘Hotel Lautréamont’

Mais um retorno do Conde de Lautréamont

É a adaptação de Os cantos de Maldoror pela Cia. Corpos Nômades de João Andreazzi, comemorando o décimo aniversário do Espaço Cênico O Lugar. O espetáculo esteve em cartaz ao longo de 2009 e 2010, e retornou este ano. A seguir, informações e ficha técnica. Exemplares remanescentes da minha tradução de Lautréamont completo, Os cantos de Maldoror – Poesias – Cartas pela ed. Iluminuras (é a quinta edição) estarão á venda na bilheteria do teatro, a R$ 50,00 cada.

Inspiradoem livro que instigou os surrealistas, o espetáculoHotel Lautréamont – Os Bruscos Buracos do Silêncio, da Cia. Corpos Nômades, inicia temporada no Espaço Cênico O Lugar

Serviço

Hotel Lautreamónt – Os Bruscos Buracos do Silêncio

Temporada: De 30 de setembro a 12 de novembro. Sábados, às 21h e domingos, às 20h30

Local: Espaço Cênico O Lugar (Rua Augusta, 325 – Consolação. São Paulo – SP)

Recomendação Etária: 14 anos

Ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia). São aceitos cartões de débito e crédito.

Capacidade: 64 lugares

Telefone do local: 3237-3224

Site: www.ciacorposnomades.art.br

A temporada, quechega com reformulação do espetáculo, também comemora os 10 anos do Espaço Cênico O Lugar, sede da Cia. Corpos Nômades

Ficha Técnica

Concepção Geral, Direção e coreodramaturgrafia: João Andreazzi.Elenco: Gervásio Braz, João Andreazzi, Cristiano Bacelar, RossanaBoccia e Vagner Cruz.Textos: Conde de Lautréamont.Assessoria dramatúrgica e tradução da obra do Conde de Lautréamont: Claudio Willer.Adaptações e novos textos: Claudio Willer e Cia. Corpos Nômades.Montagem da Trilha Sonora: Vanderlei Lucentini.Pianista ao vivo: Diogenes Junior.Iluminação: Décio Filho.Figurino: David Schumaker.Produção: Cia. Corpos Nômades.Fotos: Cris Lyra e Lenise Pinheiro.Recomendação etária: 14 anos. Agradecimentos: Bernhard Gal e Arco Duo (trechos da trilha sonora).

Fundada há 22 anos pelo coreógrafo, bailarino e professor João Andreazzi, um dos pilares da Cia. Corpos Nômades é a construção de performances de dança que dialoguem com outras linguagens criativas, como o teatro, as artes visuais e a literatura – sendo a última eleita para inspirar a criação de Hotel Lautréamont – Os Bruscos Buracos do Silêncio. O espetáculo inicia temporada com reformulações desde a primeira versão, de 2009, a partir do dia 30 de setembro, sábado, 21h, com ingressos a R$20. O projeto foi contemplado pelo 20º Programa Municipal de Fomento à Dança da cidade de São Paulo e, para comemoração dos 10 anos de existência do Espaço Cênico O Lugar, a Cia. Corpos Nômades conta com o apoio do O Boticário na Dança através do PROAC-ICMS/Governo do Estado de SP.

Baseado na obra Os Cantos de Maldoror,escrita pelo Conde de Lautréamont – codinome de IsidoreDucasse (1846 – 1870)–, o espetáculo da Cia. Corpos Nômades resgata figuras do livro considerado precursor do movimento surrealista na literaturae as recria a partir dos corpos dos bailarinos. João ressalta trechos em que animais mutantes são expressos no livro, como polvos, tubarões e águias que se formaram a partir de um mesmo corpo. “Há uma forte conexão com o zoomorfismo que faz parte da obra, mas não estamos diretamente ligados na parte descritiva e sim nas sensações que essas imagens causam”, diz João Andreazzi.

Um dos parceiros que colaborou diretamente com o coreógrafo na criação de Hotel Lautréamonté o escritor, poeta e tradutor Claudio Willer, responsável por uma das traduções da obra francesa para o português. “Ele assistiu um trabalho anterior nosso e identificou essas proximidades da dança a um corpo muito presente nas obras surrealistas”, dizo diretor. Entre diversas referências estéticas que fizeram parte do processo de criação da obra, Andreazzise diz especialmente contagiado pelo cinema produzido a partirdo movimento surrealista e da obra do artista plástico Max Ernst. Para Andreazzi, a proposta aberta do espetáculo tem o potencial de alcançar o público familiarizado à obra de Ducasse ou aosurrealismo, de forma geral, mas também de dialogar e causar reflexões em quem desconhece a temática.

Sobre Os Cantos de Maldoror

Livro poético escrito entre 1868 e 1869 por IsidoreDucasse sob o pseudônimo Conde de Lautréamont. Poeta francês de origem uruguaia, Ducasse serve de referência para a construção e a elaboração dos momentos cênicos coreografados. De Marcel Duchamp a Samuel Beckett e de Manoel de Barros a Shakespeare, Andreazzi releu os autores a partir do tratamento específico dado ao corpo por Deleuze e Guattari, propondo encenações múltiplas, plurais. Ao mesmo tempo dança, teatro e música, as elaborações visuais criadas por Andreazzi e apresentadas pela Cia. Corpos Nômades são únicas; criando símbolos em cena, em vez de simbolizar. O próprio ser mutante protagonista do Conto, Maldoror, dá ignição à criação coreográfica: trata-sede um homem que se recorda de haver vivido durante meio século sob a forma de tubarão, nas correntes submarinas que margeiam as costas da África. Ora jovem, ora de cabelos brancos; aqui moribundo, ali capaz de façanhas atléticas; transformado em águia para combater a esperança, polvo para melhor lutar com Deus, porco em seus sonhos, coisa informe, misturada à natureza, objeto de identidade indefinida.

Trecho do poema: “É um homem ou uma pedra ou uma árvore quem vai começar o quarto canto. Disfarça-se no combate ao bem: Tinha uma faculdade especial para tomar formas irreconhecíveis aos olhos mais treinados”.

Anúncios

Palestra: “Os Cantos de Maldoror e a poesia selvagem de Lautréamont”

(Quando divulgada por Jean-Jacques Lefrère em 1977, esta foto de Lautréamont / Isidore Ducasse suscitou dúvidas; contudo, outra, em companhia de colegas identificáveis do Liceu de Tarbes, confirmou ser mesmo ele)

Quando: dia 20 de maio, sábado, das 18 h. até aproximadamente as 19h45, incluindo conversar com o público.

Onde: Espaço Cênico O Lugar da Cia. Corpos Nômades de João Andreazzi, à Rua Augusta 325, fone 011-32373224

EVENTO GRATUITO. Contudo, por motivos óbvios, convém inscrever-se no Espaço Cênico O LUGAR – Cia. Corpos Nômades.

Além de traduzir e prefaciar a obra de Lautréamont, e de publicar artigos, dei inúmeras palestras sobre ele. Não obstante, conseguirei preencher um tríplice propósito, sem repetir-me:

  1. Oferecer uma introdução geral a Lautréamont, com algumas chaves importantes para sua leitura;
  2. Mostrar conexões com a encenação de “Hotel Lautréamont: os bruscos buracos do silêncio” de João Andreazzi, em cartaz neste Espaço Cênico O Lugar;
  3. Apresentar alguma interpretação adicional com relação ao que já publiquei. Por exemplo, argumentar que o título do capítulo “Lautréamont: elucubrações de um serial killer” em A literatura e os deuses de Roberto Calasso pode ser tomado no sentido literal. E falar mais sobre Poesias, e não apenas Os cantos de Maldoror.

Lembrando que exemplares da mais recente reedição de Lautréamont completo publicada pela Iluminuras – Os cantos de Maldoror , Poesias, Cartas, além de prefácio e outras informações – estão à venda no teatro, com uma redução significativa do preço: a R$ 50,00 o exemplar. Já autografei alguns na estréia.

A palestra possibilitará que leitores absorvam os perfumes e as emanações sulfúreas do delicado escrínio (estou novamente imitando o estilo dele).

Um artigo meu disponível no meio digital: Lautréamont, leitor de Baudelaire, em https://www.academia.edu/16274999/LAUTR%C3%89AMONT_LEITOR_DE_BAUDELAIRE

Com a peça em cartaz e a palestra, que tal transformarmos maio de 2017 em mês Lautréamont?

Lautréamont completo à venda, e com desconto, nesta nova encenação de “Hotel Lautréamont: Os Bruscos buracos do silêncio”

A edição que preparei para a Iluminuras, o Lautréamont completo reeditada várias vezes desde 1997, com Os cantos de Maldoror, Poesias, Cartas, notas, ensaio, informações adicionais. Aqui, a capa da nova edição, publicada em 2015, com os abutres – ou alguma outra ave falconiforme? – tão bem adicionados pelo artista plástico Nuno Ramos.

O livro escrito pelo homem de lábios de bronze (como podem ver, estou imitando seu estilo propositadamente rebuscado) estará à venda e poderá ser adquirido e levado para casa (ou qualquer outro lugar) para ser lido por novos (e antigos) leitores a R$ 50,00 o exemplar – livrarias oferecem a mesma edição dos escritos do homem dos lábios de enxofre, tão empenhado em seu combate com Deus e o Homem, e principalmente na destruição da relação de significação, a R$ 66,00 (minha credibilidade não será abalada pela consulta ao Google e a páginas de internet).

Já havia anunciado que o reencontro será nesta encenação de “Hotel Lautréamont: Os Bruscos buracos do silêncio” pela Cia. Corpos Nômades de João Andreazzi no Teatro O Lugar, á Rua Augusta 325, às sextas, sábados e domingos, com estréia nesta sexta feira, dia 12 de maio. A mesma encenação, ou uma atualização da mesma encenação que ficou mais de um ano em cartaz entre 2010 e 2011, colhendo elogios da crítica e sonoros aplausos de espectadores. Demais informações relevantes – ou acessórias, conforme o julgamento de cada um – estão aqui: https://claudiowiller.wordpress.com/2017/05/01/a-volta-do-conde-de-lautreamont/

Minha espectral figura estará presente na estréia, inclusive para autografar exemplares, assim como em outras ocasiões, previsíveis ou imprevisíveis.

Em breve, anunciarei palestra, em um futuro próximo, ou não tão distante, no mesmo local. Esclarecerei o sentido da imagem do pato com lábios de vermute, entre outras informações – algumas talvez familiares para quem já assistiu palestras ou esteve em minhas oficinas; outras que poderão surpreender, pois sempre procuro renovar-me. É claro que curtiremos as redundâncias propositais, anacronismos, perífrases e demais artifícios da sedução do criador de Maldoror.

Adiciono ainda o mais recente dos artigos elogiosos (mas todos foram elogiosos) tratando da minha tradução da obra do homem dos lábios de safira: https://claudiowiller.wordpress.com/2014/06/02/a-boa-resenha-da-nova-edicao-de-os-cantos-de-maldoror-poesias-cartas-de-lautreamont/

Maldoror, Lautréamont, Isidore Ducasse, este seu tradutor e comentarista, João Andreazzi e os Corpos Nômades agradecem à editora Iluminuras de Samuel León pela  oportuna promoção.