Posts Tagged ‘Paranóia de Roberto Piva’

EU RECOMENDO PARANÓIA DE ROBERTO PIVA ENCENADO POR MARCELO DRUMMOND

Ler poesia é uma coisa. O próprio Piva foi um excelente leitor, gravou bastante – inclusive uma leitura de Paranóia completo, com trilha de jazz escolhida por ele, preparada por Toninho Mendes. Será apresentada dia 32 de setembro, em mais uma evocação relativa aos 80 anos que comemoriaria. Mas interpretar poemas teatralmente é outra. Dificílimo. Um desafio. Embora Piva também tenha sido bem tratado nessa modalidade, com destaque para São Paulo Surrealista II, por Marcelo Marcus Fonseca e Teatro do Incêndio.

Motivo adicional para elogiar este novo Paranóia, pelo ator Marcelo Drummond, um piviano convicto. A destacar as variações inteligentes na dicção / elocução dos poemas e o equilíbrio do tratamento cênico, música e interpretação.

Seguem as informações sobre o espetáculo, enviadas por Álvaro Machado:

PARANOIA, de Marcelo Drummond, maravilhosa performance do grupo Oficina Usyna Uzona na Biblioteca Mário de Andrade (silhueta de Máriio na foto). Tem mais três segundas-feiras, ingressos grátis. Ficou tudo lindo demais! A montagem fílmica do Igor Marotti Dumont, Ciça e companheiros do Oficina é genial, deslumbrante, embriagante. Viva ROBERTO PIVA, 80 anos, COMEMORADO À ALTURA. Sonia Ushiyama Souto(diretora de arte e figurinos) em performance inicial, no saguão do edifício. Com Claudio Willer

14, 21 e 28 de agosto, segundas-feiras, 19h: Peça “Paranoia”, de Marcelo Drummond, sobre poemas de Roberto Piva Direção e interpretação de Marcelo Drummond, com intervenções ao vivo de Igor Marotti (vídeo) e Zé Pi (música) Monólogo com poemas e textos do poeta paulistano Roberto Piva (1937-2010), em maioria de seu famoso livro “Paranoia” (ed. Massao Ohno, 1968, com fotos de Wesley Duke Lee, reeditado por Instituto Moreira Salles, 2000), sobre o cotidiano do centro da cidade de São Paulo nos anos 1960, em lugares como a Avenida São Luiz e a Praça da República. Mário de Andrade, Antonin Artaud e Federico García Lorca também são rememorados na barafunda do viver na metrópole paulista em ebulição.