Posts Tagged ‘Poetas malditos’

POETAS MALDITOS NO SESC DE RIBEIRÃO PRETO: PALESTRA

2 Rimbaud download (3)

(Ilustrando, Rimbaud, que declarou “Eu sou maldito” e foi publicado na antologia ‘Poetas malditos’ organizada por Verlaine. Será um dos autores comentados – mas irei desde as descidas órficas ao inferno até contemporâneos – assunto não faltará)

Informa o SESC de Ribeirão Preto:

Encontros literários – Os poetas malditos, com Claudio Willer

Quando: Sábado, 10 de março às 15:00 – 17:00

Onde: Sesc Ribeirão Preto – Rua Tibiriçá, 50 – Centro, 14010090 Ribeirão Preto

Nesse encontro, o escritor beatnik examina autores tipicamente malditos, obedecendo a uma série cronológica. Tratará, não apenas de autores, mas de questões associadas ao sentido do termo ‘malditos’. Por exemplo, a existência de ‘malditos’ contemporâneos e de uma ‘linhagem maldita’ ao longo do tempo. E, principalmente, a projeção além dos limites da criação literária dos ‘malditos’: em movimentos de vanguarda, política, contracultura, rebeliões sociais.

No Auditório. 200 lugares. 14 anos. Retirada de ingressos com 1h de antecedência.

VENHAM

Palestra em Guarulhos sobre poetas malditos

willer Guarulhos 2008Será dia 22 de novembro, sábado, às 18 h.
Local: Biblioteca Monteiro Lobato, à Rua João Gonçalves n. 439, em Guarulhos, SP.
A seguir, link com um informe pela Secretaria de Cultura de Guarulhos
Já tratei do assunto em outras ocasiões, e publiquei ensaio. Desta vez, lerei e comentarei poemas. Conversarei com o público. Além de falar de Baudelaire e Gérard de Nerval como criadores da categoria “poetas malditos”, pretendo examinar mais de Rimbaud, indo além do que já publiquei sobre ele; isso, desde as blasfêmias e impropérios de poemas contundentes como “O mal”, “Agachamentos”, “Os poetas de sete anos”, “Os pobres na igreja”, “As primeiras comunhões”, passando por sua descida ao inferno e pela alquimia do verbo, até as iluminações. Passando por outros autores brasileiros, farei uma ponte até nosso contemporâneo Roberto Piva, leitor de Rimbaud. Também justificarei a admiração de autores beat como Ginsberg e Kerouac por Rimbaud.
Estou ilustrando com foto minha, lendo poemas na mesma Biblioteca Monteiro Lobato, em 2008.
Venham.
Agradeço por retransmitirem e informarem a interessados.
https://plus.google.com/events/cr3ejuq2piti3b0piu3hnlbi4vg?gpinv=AMIXal8WYRlaqR4D0NVzZZrOH1b2EUU7hBKCVBvCgcJri1wogUybapJfjQp6NkuS0mYZDzfiLKPKWIESytt6L-ZfyQvc9U-BpbW5Ekr1bPy_4e9LAKgQ8vI&gpsrc=gpev0&cfem=1#events/cr3ejuq2piti3b0piu3hnlbi4vg?gpinv=AMIXal8WYRlaqR4D0NVzZZrOH1b2EUU7hBKCVBvCgcJri1wogUybapJfjQp6NkuS0mYZDzfiLKPKWIESytt6L-ZfyQvc9U-BpbW5Ekr1bPy_4e9LAKgQ8vI&gpsrc=gpev0&cfem=1

Poetas malditos e Piva: ensaio em Eutomia, e mais

Saiu meu ensaio, “Poetas malditos: de Baudelaire e Nerval a Piva” em Eutomia, o periódico on line editado por Sueli Cavendish, da Universidade Federal de Pernambuco. Está em:

http://www.repositorios.ufpe.br/revistas/index.php/EUTOMIA/article/view/244

Reparem que, no pé da página, tem botão para abrir o pdf. E no pdf tem botão para ‘tela cheia’. Portanto, cliquem no link, nos botões, e leiam o ensaio.

Em um evento universitário recente tratando desse tema, de considerável diversidade, um participante declarou que não há mais poetas malditos. Minha intenção, ao escrever o artigo, foi tentar especificar com maior clareza – através de algum deslocamento da sociologia para a literatura comparada – o que vêm a ser poetas malditos. Sustento que o uso dessa categoria é consistente ou apropriado, quando aplicado à linhagem que vem de Baudelaire e Nerval até Piva, passando (evidentemente) por Rimbaud. O ensaio também costura algumas pontas soltas em meu Um obscuro encanto, e prossegue observações em meu artigo sobre Rimbaud na revista Cult.

Evidentemente, o tema sobra. Em cursos sobre poetas malditos – o mais recente, na Casa das Rosas em 2010 – também examinei outros autores. Mas me parece que, desta vez, além de circunscrever a categoria, justificar seu uso e mostrar a raiz remota – xamanismo, mito de Orfeu – e ao mesmo tempo a contemporaneidade, contribuí para esclarecer a relação de Piva com Dante. E suas posições políticas mais recentes, o monarquismo (por décadas, declarou-se marxista), estranho à primeira vista, porém simbolicamente substancioso.

Haverá mais. Após escrever o artigo e dar palestra – esta: https://claudiowiller.wordpress.com/2013/06/24/palestra-em-diadema-poetas-malditos-e-piva/ – enxerguei motivos adicionais para o Inferno ser o best-seller da trilogia de Dante (notem bem, de Dante, e não desse deplorável contemporâneo) e despertar tamanha fascinação em românticos e neo-românticos rebeldes.

Já havia, a convite de Sueli, publicado poemas em Eutomia:

http://www.revistaeutomia.com.br/volumes/Ano4-Volume1/poesias/POEMASCLAUDIOWILLER.pdf

Este fim de semana saiu também artigo meu sobre Buñuel e religião, em Tertúlia, de Renato Alessandro dos Santos:

http://www.tertuliaonline.com.br/postagem/ver/326

Repito meu bordão preferido: haverá mais …! Publicarei uma pequena série sobre surrealismo e cinema.

Palestra em Diadema: Poetas malditos e Piva

Darei palestra sobre este tema: “Poetas malditos, de Baudelaire a Roberto Piva”.

No Seminário Literatura e Interfaces, em Diadema.

Será na próxima sexta feira, dia 28 de junho, às 15 h. Haverá debate em seguida.

O seminário dura o dia todo e terá outras atividades: palestras, apresentações, debates.

Endereço: Av Sete de Setembro, 468 Diadema-Centro – Biblioteca Olíria de Campos Barros

Também preparei ensaio sobre o tema, já encaminhado para publicação. Em um evento recente, em uma universidade, foram lançadas dúvidas sobre a existência, hoje, de poetas malditos. Acho que minha abordagem contribuirá para esclarecer – inclusive pelo que observo sobre a relação com Dante Alighieri, Baudelaire, Nerval e Rimbaud. São os prazeres do comparatismo literário.

O lugar é apropriado. Na década passada, Piva se apresentou em Diadema, com seus “Encontros órficos”. Eu também. No final de 2007, tivemos uma mesa composta por Piva, Afonso Henriques Neto e por mim. Observei, na ocasião, ser um escândalo essa mesa nunca ter sido promovida na USP.

SEMINÁRIO LITERATURA E INTERFACES
Neste I Seminário, o ponto de cultura Mídias Literárias propõe o debate sobre os usos da literatura em outros suportes, como o caso dos trabalhos com formação de mediadores de leitura e o uso para a saúde. Teremos a presente de convidados de notório saber que irão provocar um diálogo entre as diversas áreas. Consulte programação específica.
28/06, sexta, das 9h às 17h