Posts Tagged ‘Teatro do Incêndio’

HAVERÁ PALESTRA SOBRE O SIMBOLISMO BRASILEIRO

Dario VelosoPedro KilkerryCruz_e_SousaMaranhão_Sobrinho

E outros simbolismos também.

QUANDO: Dia 20 de novembro, a próxima sexta feira, às 20 h.

ONDE: No Teatro do Incêndio, á Rua Treze de Maio 53, São Paulo, tel. (11) 2609-3730. Completando o ciclo Pensar o Brasil, criação do Teatro do Incêndio, com apoio do Programa de Fomento ao Teatro da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Sessão havia sido adiada em virtude de turnê e intensa atividade desse grupo e de seu diretor Marcelo Marcus Fonseca.

Pretendo dar uma palestra instigante e provocativa. Mostrarei a conexão de simbolismos e movimentos modernistas, o que André Breton chamou de “correia de transmissão” (exceto no Brasil): falarei também de simbolistas europeus e hispano-americanos. Invectivarei o que chamo de “síndrome Silvio Romero”, o nacionalismo redutor sob influência nefasta do positivismo que contribuiu para que poetas extraordinários fossem marginalizados e atacados pela crítica. Procurarei mostrar o alcance e qualidade de Cruz e Souza, assim como de autênticos malditos como Pedro Kilkerry e Maranhão Sobrinho, e ainda desse interessantíssimo poeta esoterista, Dario Veloso (ou Vellozo).

Estou ilustrando com imagens de Dario Veloso, Cruz e Souza, Kilkerry e Maranhão Sobrinho – esses dois, tão à margem que parece haver apenas um único retrato de cada um deles.

Não faltará assunto. Pretendo falar por uma hora e 20 minutos.

Venham. Agradeço avisarem a interessados.

 

ADIADA PALESTRA SOBRE SIMBOLISMO NO BRASIL

Cruz_e_Sousa

Seria nesta sexta feira, dia 25. Transferimos por causa de turnê do Teatro do Incêndio. Faremos ainda em setembro, completando a série Pensar o Brasil. Minha preferência era por 32 de setembro – seria a sexta feira subsequente – mas como setembro tem só 30 dias, será até quarta feira próxima – informaremos. Darei especial atenção ao poeta da foto, Cruz e Souza, mas também a outros simbolistas, fascinantes.

Falarei novamente sobre Manoel de Barros

manoel 1

QUANDO: esta sexta feira, dia 18 de setembro, às 20 h.

ONDE: no Teatro do Incêndio, à Rua 13 de Maio 53

A palestra faz parte do ciclo Pensar o Brasil, já noticiado aqui: https://claudiowiller.wordpress.com/2015/07/27/pensar-o-brasil-poesia-reflexao-e-criacao-palestras-no-teatro-do-incendio/

Preferi mudar a sequência programada, por uma questão de continuidade com palestras anteriores que trataram de índios, um tema forte também na poesia de Manoel de Barros.

Há um ensaio meu sobre ele que é o mais acessado dos que postei no Academia.edu. Este: https://www.academia.edu/4676460/Manoel_de_Barros_novo

Mas não pretendo repeti-lo. Tratarei, principalmente, do pensamento analógico, da idéia que a analogia rege a natureza, examinando especialmente as prosas poéticas em Gramática expositiva do chão.

Venham. Apreciarão.

Resolvi mudar o tema da minha palestra na próxima sexta feira

maxresdefault

Em vez de simbolistas brasileiros, conforme programado, tratarei de Jorge de Lima. No ciclo “Pensar o Brasil”, que coordeno e no qual atuo como conferencista, e que tem lugar no Teatro do Incêndio (link com a notícia a seguir).

Por quê? Pelo seguinte:

  1. Não precisamos ser escravos da cronologia e sempre objetei a ensinarem Literatura como série histórica;
  2. Aprecio Jorge de Lima – é poeta colossal, insuficientemente lido;
  3. Tivemos índios, por Pedro Cesarino, na sessão passada do ciclo “Pensar o Brasil”, e teremos novamente índios, por Sérgio Medeiros, na sexta feira subseqüente. Um dos poemas extensos de Invenção de Orfeu de Jorge de Lima, o XXXI do Canto Primeiro, está glosado como “O índio interior”: vou examinar esse poema e interpretá-lo no contexto do ciclo “Pensar o Brasil”.
  4. Tivemos presença africana no Brasil na primeira sessão do ciclo. Então examinarei Jorge de Lima como afrodescendente (por parte da mãe) criado no sopé da Serra da Barriga, sede dos Palmares de Zumbi, indignado com o preconceito, a intolerância e a perseguição aos sincretismos afro-brasileiros – e não só nos Poemas negros.
  5. Primeiro examinarei o débito de Jorge de Lima com relação á grande matriz simbolista. Depois farei o mesmo com Manoel de Barros. Finalmente, apresentarei uma proposta de releitura do simbolismo brasileiro, tão negligenciado, tão á margem de nossos estudos literários, projetando, por exemplo, o “Eu é um outro” de Rimbaud em Cruz e Souza – e também nos Maranhão Sobrinho, Pedro Kilkerry e Dario Veloso.

A notícia sobre o ciclo “Pensar o Brasil”: https://claudiowiller.wordpress.com/2015/07/27/pensar-o-brasil-poesia-reflexao-e-criacao-palestras-no-teatro-do-incendio/

Sobre Jorge de Lima, já publiquei aqui: http://arcagulharevistadecultura.blogspot.com.br/2015/03/claudio-willer-aproximacoes-jorge-de.html . Ampliarei.

Sobre Manoel de Barros, o artigo mais acessado dos que publiquei em Academia.edu: https://www.academia.edu/4676460/Manoel_de_Barros_novo . Direi outras coisas, desta vez.

Pensar o Brasil: poesia, reflexão e criação. Palestras no Teatro do Incêndio

A5_PALESTRAS_ONLINE

500x500_AVATAR

Começa dia 07 de agosto, sexta feira, o ciclo Pensar o Brasil, uma série de oito palestras, todas as sextas feiras. Idealizado por Marcelo Marcus Fonseca, produzido pelo Teatro do Incêndio, com minha coordenação.

Convidei ótimos especialistas . Darei três das palestras, focalizando poetas e visões originais do Brasil. Inclusive examinando nossos simbolistas, que, para alguns críticos, não foram suficientemente “brasileiros”.

DATAS: às sextas feiras, dias 07 de agosto a 25 de setembro de 2015. HORÁRIO: das 20 às 22h. LOCAL: Teatro do Incêndio, Rua Treze de Maio 53, São Paulo, tel. (11) 2609-3730. ORGANIZAÇÃO E PROMOÇÃO: Teatro do Incêndio, com apoio do Programa de Fomento ao Teatro da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. A programação completa, com informação sobre os conferencistas:

  TEMAS E CONFERENCISTAS:

  1. 07 de agosto. Marcelo Marcus Fonseca e convidados: A Travessia dos Orixás – África-Brasil;
  2. 14 de agosto. Roberto Bicelli: A Teoria de São Paulo: a metrópole e a raiz oculta na velocidade;
  3. 21 de agosto. Betty Milan. Isso é o pais? Atualidade de seus ensaios e artigos, examinando interpretações e “explicações” do Brasil.
  4. 28 de agosto: Pedro Cesarino. As teorias do Brasil: Darcy Ribeiro e outras contribuições relevantes–
  5. 04 de setembro. Claudio Willer: Simbolismo e sintonia com a unidade cósmica: Cruz e Souza: outros simbolistas e o modo como apresentaram o Brasil;
  6. 11 de setembro. Sérgio Medeiros: Xamanismo e os Deuses da Mata: a poesia e os índios brasileiros
  7. 18 de setembro. Claudio Willer: Jorge de Lima, surrealista, neobarroco e místico; o poeta e a defesa da diversidade cultural
  8. 25 de setembro. Claudio Willer :Todas as cores em uma só língua: cromatismo, imagens e criação de vocábulos em Guimarães Rosa, Manoel de Barros e outros criadores

OS CONFERENCISTAS: BETTY MILAN é paulista. Autora de romances, ensaios, crônicas e peças de teatro. Suas obras também foram publicadas na França, Argentina e China. Colaborou nos principais jornais brasileiros e  foi colunista da Veja. Trabalhou para o Parlamento Internacional dos Escritores, sediado em Estrasburgo, na França. Foi convidada de honra do Salão do Livro de Paris, cujo tema era o Brasil. Representou o Brasil na Miami International Fairbook em 2014.  Formou-se em medicina pela Universidade de São Paulo e especializou-se em psicanálise na França com Jacques Lacan. CLAUDIO WILLER é poeta, ensaísta e tradutor, identificado ao surrealismo, geração beat e outras rebeliões poéticas . Publicações recentes, Os rebeldes: Geração Beat e anarquismo místico; Manifestos – 1964-2010; Um obscuro encanto: gnose, gnosticismo e poesia; Geração Beat; Estranhas Experiências, poesia. Traduziu Lautréamont, Ginsberg, Kerouac e Artaud, entre outros. Doutor em Letras na USP, onde fez pós-doutorado. Mais em https://claudiowiller.wordpress.com/about MARCELO MARCUS FONSECA é ator, diretor de teatro e dramaturgo, responsável por uma quantidade de encenações, desde O Balcão” (1997), versão da peça de Jean Genet, até Pano de Boca, em cartaz. Também poeta e sambista, responsável por uma vasta pesquisa de resgate de sambas pouco conhecidos do grande público. É fundador do grupo Teatro do Incêndio. Tem dois livros lançados pela editora Kazuá, ‘Da Terra O Paraíso’ (2012), prosa poética surrealista, e ‘De Dionísio Para Koré’ (2013), poemas temáticos sobre o mito de Baco e Perséfone. PEDRO DE NIEMEYER CESARINO é mestre e doutor em antropologia social pelo Museu Nacional/ UFRJ. Desenvolve pesquisas em etnologia indígena, com ênfase em estudos sobre xamanismo, cosmologia, tradições orais, tradução e antropologia da arte. Pós-doutorado noDepartamento de Letras da Universidade de São Paulo (2008-2010). Foi Professor-Adjunto de Antropologia da Arte no Departamento de História da Arte da Universidade Federal de São Paulo. É professor do Departamento de Antropologia da FFLCH/USP. Publicou Oniska – poética do xamanismo na Amazônia Quando a Terra deixou de falar – cantos da mitologia marubo, entre outros artigos e textos literários. ROBERTO BICELLI é formado em Letras, com especialização em Literatura Brasileira e em Gestão Cultural. Foi coordenador adjunto ou interino na Fundação Nacional de Artes- Funarte em diversos períodos. Publicou: Antes que eu me esqueça, poesia, O colecionador de Palavras, romance juvenil, e Ego Trip, diário de viagem. Participa, a partir dos anos sessenta, de inúmeras ações culturais junto ao público interessado em artes, especialmente literatura, teatro, performance e dança. SÉRGIO MEDEIROS  é poeta, tradutor, ensaísta e professor titular no Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da UFSC, cuja editora dirige. Realizou pesquisa sobre o poema maia Popol Vuh, que traduziu em colaboração com Gordon Brotherston; sobre outros mitos indígenas; a obra do Visconde de Taunay, Sua obra poética inspirada no “pensamento selvagem” e no totemismo, inclui Totens e o poema dramático O fim de tarde de uma alma com fome, inspirado em lendas indígenas e no teatro nô, Publicou outras traduções importantes, colaborou em filmes. Coedita o jornal on-line Qorpus.

Cabaret Café: poesia no Panorama do Teatro do Incêndio, SESC-Bom Retiro

Quando: Dia 24 de junho, quarta-feira, às 19h30.

Onde: SESC-Bom Retiro, Alameda Nothmann, 185, Bom Retiro/SP. Tel.: (11) 3332-3600, sescsp.org.br/bomretiro

Cia.Incêndio-Caberet-Café -bbb

A ilustração deve dar uma idéia do que acontecerá. O “Cabaret Café” consistirá em uma improvisação bem planejada (que tal esse oximoro?), apresentando poemas e outras atrações, protagonizada por Marcelo Marcus Fonseca, Roberto Bicelli e por mim.

É parte de um ciclo que inclui ensaio aberto do espetáculo Pano de Boca (dia 25, quinta feira), reapresentação de São Paulo Surrealista (dia 26, sexta feira) e Pornosamba e a Bossa Nova Metafísica (dia 27, sábado).

Outras atrações espantosas também serão anunciadas. Lembrando que tive participação ativa na preparação de São Paulo Surrealista partes 1 e 2: encenações que foram apreciadas e aplaudidas, e por isso ficaram mais de um ano em cartaz.

A seguir, “release” desses acontecimentos:

Sesc Bom Retiro apresenta panorama teatral com a Cia. Teatro do Incêndio

Entre os dias 24 e 28 de junho, o Sesc Bom Retiro apresenta oPanorama – Teatro do Incêndio, que mostra a multiplicidade criativa da Cia. Teatro do Incêndio, fundado e dirigido por Marcelo Marcus Fonseca.

Fazem parte do Panorama os espetáculos Cabaret Café (24/06, quarta, às 19h30), ensaio aberto de seu próximo espetáculo Pano deBoca (25/06, quinta, às 20h) que tem estreia marcada para 11 de julho na sede da companhia, São Paulo Surrealista (26/06, sexta, às 20h),Pornosamba e a Bossa Nova Metafísica (27/06, sábado, às 20h).

Uma das companhias mais atuantes da capital, o Teatro do Incêndio este entre os grupos que têm migrado por várias sedes no centro da cidade, diante da especulação imobiliária. sua temática vai além do teatro, propondo discussões de cunho coletivo onde o cotidiano, a memória e a diversidade estão presentes de maneira absoluta e democrática.

 

Surrealismo no SESC de Piracicaba, no final deste mês

Será um ciclo substancioso, examinando surrealismo sob vários ângulos. Dias 26 a 29 de março; ou seja, na próxima semana. Agradeço por retransmitirem a interessados em Piracicaba e região. Terei o prazer de participar, dando um curso breve – mas substancioso, espero – e participando de mesa instigante com Raul Fiker e Célia Musili. Haverá encenações teatrais pelo Teatro do Incêndio de Marcelo Marcus Fonseca (quem ainda não assistiu a São Paulo Surrealista, aproveite a chance) e outras atrações, como um estimulante workshop.

A seguir, a programação completa, tal como divulgada pelo SESC – mostra ainda segue pelo mês de abril, como pode ser verificado nesta matéria:http://www.sescsp.org.br/online/artigo/7398_ONDE+ESTA+O+SURREAL#/tagcloud=lista

Observem que tem links para inscrições e fones para informações:

Onde anda o surreal?
Retorno ao senso incomum

Projeto sobre um dos mais importantes e radicais movimentos estéticos do século XX e que propõe imersão em universo de símbolos que deslocam o homem de sua passividade habitual e coerência lógica, lançando-o em percepções que transpõem os limites da realidade.

MINICURSO: O Surrealismo no Brasil
As principais características do movimento e suas influências no Brasil, comCláudio Willer, poeta, ensaísta, crítico e tradutor brasileiro, doutor em Letras pela USP, com ensaio publicado no livro O Surrealismo (ed. Perspectiva, 2008). Citado em antologias de poesia surrealista e livros de história da literatura como um dos únicos poetas brasileiros a receber resenha do periódico francês La Brèche – Action Surréaliste, dirigida por André Breton, autor do Manifesto Surrealista19h às 22h. Internet Livre. Não recomendado para menores de 16 anos. Grátis.Inscrições no local ou pelo e-mail inscricao@piracicaba.sescsp.org.br, informando nome do curso, nome completo do participante, idade e telefone.

TEATRO
EM.CENA.AÇÃO

Com Cia Teatro do Incêndio

Fim de Curso
Texto: René de Obaldia
Tradução: Cláudio Willer
Direção: Marcelo Marcus Fonseca
A peça discute a morte de um professor universitário por jovens estudantes, que pedem clemência pelo crime. Os alunos alegam ter assassinado alguém que já estaria morto. Temas como coerção, liberdade, ideologia, morte, Deus e sociedade de consumo estão intimamente ligados nessa fábula de mistério, em que a vida se torna convulsiva e retalhada pela frieza das relações humanas. 20h. Ginásio. Não recomendado para menores de 16 anos.Ingressos: R$ 2,00 (trabalhadores no comércio de bens, serviços e turismo matriculados), R$ 5,00 (usuários, estudantes, idosos, professores da rede pública, aposentados e deficientes) e R$ 10,00.

ESPECIAL
ENCONTRO SURREAL
Willer & Fiker
Cláudio Willer e Raul Fiker conversam sobre a presença do surrealismo em suas obras literárias e os motivos que os levaram a “dialogar” com o movimento. Mediação: Célia Musilli. 11h. Teatro. Não recomendado para menores de 16 anos. Grátis.

WORKSHOP
Teatro e Surrealismo

Com o diretor Marcelo Marcus Fonseca para apresentação do processo de investigação do universo surrealista da Cia. Teatro do Incêndio. Após exercícios e debates, os participantes acompanharão a preparação e ensaio do espetáculo São Paulo Surrealista junto aos atores do grupo. 16h. Ginásio. Não recomendado para menores de 16 anos. Grátis. Inscrições na Central de Atendimento ou pelo e-mail inscricao@piracicaba.sescsp.org.br, informando nome do workshop, nome completo do participante, idade e telefone.

TEATRO
EM.CENA.AÇÃO

Com Cia Teatro do Incêndio

São Paulo Surrealista
Texto e direção: Marcelo Marcus Fonseca
Na trama, os escritores Mário de Andrade, Roberto Piva e Patrícia Galvão cruzam com cidadãos comuns e, em uma viagem surrealista, convidam o dramaturgo Antonin Artaud e o escritor André Breton, ambos franceses, para um passeio em São Paulo. Durante o trajeto, os poetas descobrem a relação entre a metrópole e o surrealismo, passando por ambientes típicos da boemia paulistana. 20h. Ginásio. Não recomendado para menores de 16 anos.Ingressos: R$ 2,00 (trabalhadores no comércio de bens, serviços e turismo matriculados), R$ 5,00 (usuários, estudantes, idosos, professores da rede pública, aposentados e deficientes) e R$ 10,00.

Mais em:

http://www.sescsp.org.br/programacao/28776_ONDE+ANDA+O+SURREAL#/content=programacao

SESC – Piracicaba: Rua Ipiranga, 155 , Centro PIRACICABA | CEP: 13400-480 Telefone:(19) 3437-9292 Entre em contato