Archive for the ‘Uncategorized’ Category

ENSAIO SOBRE MINHA POESIA

o universo onírico_D

Claudio Willer: o universo onírico e surrealista em terras brasileiras, de Henrique Duarte Neto.

São Paulo: Editora Córrego, 2018.
14 x 21 cm. 92 p.
ISBN 978-85-67240-88-6; R$ 35,00, R$ 35,00

Em: www.editoracorrego.com.br ,  (11) 99557-9293, https://www.facebook.com/pg/editoracorrego/about/?ref=page_internal

ou  http://www.editoracorrego.com.br/produto/307272/claudio-willer-o-universo-onirico-e-surrealista-em-terras-brasileiras-de-henrique-duarte-neto

Henrique Duarte Neto, catarinense, doutorou-se em Literatura na UFSC e completou pós-doutorado na UFP. Não o conhecia, entrou em contato para informar-me que estava preparando este livro. É em quatro partes. Uma, sobre aspectos da estética surrealista; outra, “Estranhas experiências e outros poemas: 40 anos de poesia surrealista”; depois, “A verdadeira história do século 20: um belo epílogo?”, e finalmente “A perspectiva surrealista de Claudio Willer em contraponto à poesia “Marginal”. Transcrevo o final da orelha, de Rodrigo Vasconcelos Machado: “A sua intenção ao longo do seu ensaio é de caracterizar como os poemas de Willer acrescentaram realidade através de novas dimensões acerca do campo referencial”. Evito comentar bibliografia sobre minha criação literária, mas observo que A verdadeira história do século 20 está especialmente bem comentado; inclusive, Henrique cotejou os poemas da série intitulada “Cinemas” com os respectivos filmes.

Esta publicação é mais uma afirmação da presença e participação ativa de Gabriel Rath Kolyniak no campo editorial. Outras, de máxima relevância, são a ampliação da Biblioteca Roberto Piva, em andamento, e a incorporação da biblioteca de nosso caríssimo Raul Fiker, autor de O equivocrata, falecido há pouco. O endereço da Avenida São João, 108, onde estão a editora Córrego, as duas bibliotecas e o Estúdio Lâmina, vai se tornando um equipamento cultural de especial importância.

Estou conseguindo retomar meu blog, após algumas dificuldades, implícitas no meu post precedente e explicitadas em generosas postagens na rede social. AGRADEÇO pela ajuda de amigos.

Anúncios

Meus ensaios e seleções de poetas contemporâneos

Claudio Willer

Reproduzo a informação com a bela sugestão de compras de fim de ano de Valdir Rocha, artista plástico, editor, interlocutor e amigo de poetas:

Claudio Willer escreveu recentemente cinco ensaios, complementados com Pequenas Antologias, que foram publicados em cinco diferentes livros, com 48 páginas cada um, sobre a obra poética de Celso de AlencarEunice Arruda,Floriano MartinsMirian de Carvalho e Péricles Prade.
Os interessados nesses volumes poderão adquiri-los diretamente com Claudio Willer, dirigindo-lhe mensagem inbox.
Em tempo: as imagens reproduzidas em cada uma das capas são de minha autoria.

Adiciono:

cada livro está por R$ 20,00;

meu editor pela Córrego, Gabriel Kolyniak, colabora nas vendas: ele está em https://www.facebook.com/editoracorrego/ ou (11) 99557-9293 ou  gkolyniak@gmail.com – procurem-no, também tem exemplares dos meus A verdadeira história do século 20, que ele publicou, e Estranhas experiências;

nós (todos nós) estaremos hoje, sábado 18/11 na Casa das Rosas, na sessão evocativa de Eunice Arruda…

Ver o post original 20 mais palavras

Acaso objetivo: um relato meu

Decidi reblogar, pelo filme a respeito ora em cartaz

Claudio Willer

Roncador-1

Havia publicado o que vem a seguir entre os comentários a meu próprio post, aqui neste blog. Resolvi, agora, dar-lhe um espaço próprio. E convertê-lo, ao final, em exercício de leitura, ou de criação – não obstante ser tudo verdade. As demais histórias de acaso objetivo, em https://claudiowiller.wordpress.com/2012/05/25/acaso-objetivo/

(Em outra ocasião, anotei que sempre quis ser cronista.)

Julho de 1999.

Passava uma semana ou uns 10 dias em uma fazenda em Mato Grosso, convidado por um amigo, o cineasta João Callegaro. Perto de Xavantina e do Rio das Mortes, quase sopé da Serra do Roncador. Extensões do Centro-Oeste, horizontes luminosos e o perfil tão plástico e poderoso da serra. O Rio das Mortes, que beleza, água bem escura e limpa, atravessando mata virgem. Jacarés e tucunarés. Araras e ariranhas.

É uma terra de lendas e seitas. As famosas inscrições na pedra, os Martírios. Índios e colonos, convivendo – aparentemente, não…

Ver o post original 960 mais palavras

VENDA PROMOCIONAL DE “ESTRANHAS EXPERIÊNCIAS”

Oferta prossegue, pois ainda há exemplares.

Claudio Willer

15355736_1418473294839259_4488615665091971421_n-1

Conforme já informado em meu blog, é o livro de poesia lançado em 2004. Final de tiragem –foi grande, próxima a 2.000 exemplares. Por isso, ainda há alguns. Com 142 páginas, inclui poemas dos livros anteriores.

Pode ser adquirido a R$ 15,00, frete incluído, nos seguintes locais:

  1. Loplop Livros de Alex Januário, diretamente em seu blog. O acesso à Loplop livros: http://loploplivros.blogspot.com.br/ Para quem mora no entorno da Zona Oeste de São Paulo, ele entrega a domicílio (é ágil). Informações adicionais: Loplop livros edições loploplivros@gmail.com , Avenida Professor Alfonso Bovero 1119, sobreloja, Sumaré / Pompéia, São Paulo, CEP 05019-01, tel. (11) 3862-7268 (lembrando, Loplop é a criatura criada pelo surrealista Max Ernst, presente em colagens e quadros)
  2. Estante Virtual: https://www.estantevirtual.com.br/loploplivros/Claudio-Willer-Estranhas-Experiencias-363678877
  3. Livraria virtual da editora Córrego de Gabriel Kolyniak: http://www.editoracorrego.com.br/produto/214751/estranhas-experiencias-de-claudio-willer

Está, nos dois pontos, Loplop e Córrego, em companhia de A verdadeira história do século 20, meu livro de…

Ver o post original 589 mais palavras

UMA NOVA OFICINA LITERÁRIA EM UM NOVO FORMATO DE OFICINA LITERÁRIA

Claudio Willer

Informam os organizadores:

A CRIAÇÃO POÉTICA, laboratório com Claudio Willer.

QUANDO: De 21 de março a 15 de junho de 2017, toda terça feira, das 20h às 22h. Portanto, três meses, algo próximo à nossa ideia de uma oficina permanente.

INSCRIÇÕES: EdLab, Rua Fradique Coutinho, 1139, Vila Madalena, fone 11 3097-8304, e-mail edlab@hedra.com.br.

INVESTIMENTO: R$ 500 mensais.

PROCEDIMENTO: Oficinas literárias são um trabalho coletivo. Seu coordenador não é neutro: intervém, avalia, sugere, recomenda leituras. Contudo, não deve impor seus valores e referencial poético. Além de um módulo expositivo e de exercícios de criação, textos escolhidos de autoria dos participantes serão examinados, discutidos e avaliados. Haverá, portanto, um trabalho centrado na produção da própria oficina. É importante que os inscritos tragam textos de sua autoria.

PUBLICAÇÃO DOS PARTICIPANTES: Ao concluírem a oficina, autores – selecionados por uma comissão que incluirá o coordenador da oficina, mais o coordenador do EdLab Vanderley…

Ver o post original 284 mais palavras

Palestra “Jorge de Lima – Grande poeta misterioso” será reapresentada

Posted 03/11/2016 by claudiowiller in Notícias, Novidades e Agitações. Tagged: , , , . | Editar

8ac6e21a518e8f503ce1889d2f32971d

(desta vez, estou ilustrando com reprodução de “fotomontagens” da série “Poesia em pânico” de Jorge de Lima, dedicada a Murilo Mendes)

Motivo: A tempestade que caiu sobre São Paulo na quarta feira, dia 09 de novembro, impediu, junto com a parada de linhas do metrô, a vinda de muitos interessados. Os que conseguiram chegar apreciaram muito. Quem esteve e quiser assistir novamente está dispensado do pagamento. Observo que será e não será a mesma palestra: nunca me repito, e a reflexão decorrente de examinar Jorge de Lima me possibilita refinar interpretações desse poeta tido como “obscuro” (porém Mallarmé também foi apelidado de “o obscuro”), “hermético”, “ininteligível” etc. Para adicionar credibilidade, transcrevo comentário que o poeta Luciano Garcez publicou no Facebook: “Ontem, depois de quase São Paulo se afundar na chuva – ilha que é – ocorreu o necessário curso na sede da UBE: “Jorge Lima – Grande poeta misterioso”, Claudio Willer, com sua sempre metículo/precisão de poeta também misterioso, desvendou aspectos insuspeitos e originais da obra do sinuoso poeta alagoano, linkando-a e desligando-a de exterioridades e estereotiparias: o surrealismo, o catolicismo, Ismael Nery, Fausto, o Trickster, o Barco Bêbado de Arthur… <meta http-equiv=”refresh” content=”0; URL=/?_fb_noscript=1″ /> Fiquem de olho, pode haver outra invenção órfica decodificada- outra vez o curso será dado, pelo que me disse o Bicelli!”

Quando: Dia 23 de novembro, a próxima quarta feira, às 19 h.

Onde: Mesmo local, mesma hora: na UBE, União Brasileira de escritores, rua Rego Freitas, 454 – Cj. 61. Observem, a seguir, instruções para inscrição e pagamento. Mais informações, ligue para: (11) 3231-3669. Para se inscrever basta enviar seu nome completo para secretaria@ube.org.br. Para efetuar pagamento (R$ 30,00 para associados e R$ 60,00 para não associados), dados bancários para depósito: Conta Corrente: Titular: União Brasileira de Escritores  Agência: 0170 Conta: 21495-1 Banco: Itaú CNPJ da União Brasileira Escritores: 62921937/0001-57 (também são aceitos pagamentos no local e na hora)

maxresdefault

Reproduzo anúncio anterior da palestra:

Há muito tempo pretendia escrever ou dizer algo sobre Jorge de Lima. Influência forte. À admiração somava-se a atração pelos labirintos, pela decifração de enigmas. Comecei a saldar esse débito, instigado pelo poeta Claufe Rodrigues, em União dos Palmares, Alagoas (sua cidade natal), durante a II Semana Jorge de Lima promovida pela Secretaria de Cultura local em abril de 2014, com a palestra “Aproximações a Jorge de Lima: o surrealista”. Em seguida, publiquei artigo na revista digital Agulha. Em setembro de 2015, voltei a ele no ciclo “Pensar o Brasil”, idealizado por Marcelo Marcus Fonseca do Teatro do Incêndio: fixei-me no trecho de Invenção de Orfeu sub-intitulado “O índio interior”. A cada vez, com a impressão de haver mais a ser dito. Por isso, aceitei com satisfação o convite da União Brasileira de Escritores para colaborar com o ciclo de palestras promovido pela entidade, escolhendo-o como tema.

Da programação distribuída pela UBE, incluindo sinopse:

Invenção de Orfeu, obra máxima de Jorge de Lima, é considerada não apenas hermética, porém caótica por alguns críticos. Serão apresentadas tentativas de interpretação, em parte originais, em parte citando a bibliografia existente, além de mostrar qualidades que justificam conferir-lhe especial relevo. Também será focalizado o modo como dialoga com outros poetas, tanto da tradição clássica, como Dante e Camões, quanto os românticos e rebeldes, especialmente Baudelaire e Rimbaud. Outros de seus livros também serão comentados – em especial, os Poemas negros. E ainda será examinado o autor, o próprio Jorge de Lima, como exemplo de integridade, de conduta eticamente elevada.

NOVAMENTE: MAGIA E CRIAÇÃO POÉTICA – O XAMANISMO

Reapresento o post para fazer uma consulta. Na palestra de julho, esta do post a seguir, sobre poesia e xamanismo, eu cobri apenas alguns dos tópicos de que trataria, sobrou assunto. Principalmente, sobraram poetas. Um Jerome Rothemberg, por exemplo, fundamental, apenas o mencionei. Piva, Jorge de Lima, ia examiná-los, só citei. Achei mais sobre alucinação em poesia, além dos “Versos dourados” de Nerval,  que se aplica.
Tenho assunto para um curso de três sessões. O que acham de fazê-lo? No mesmo local (Rua Salvador Simões, adjacente ao metrô Alto do Ipiranga), e cobraríamos ingressos nas mesmas bases. Poderia ser durante a semana ou aos sábados, sempre no horário das 19 h até as 20h30. O que lhes parece? Há interesse? Respondem. Opinem.
Obrigado!

Claudio Willer

Peço ampla divulgação desta palestra. Venham. Tenho certeza de que apreciarão:

O que é um xamã? A que modalidades de magos, feiticeiros e sacerdotes se aplica o termo? Até que ponto alguns poetas podem ser identificados a xamãs? O que em suas obras justifica essa associação? Por que uma declaração como “O Eu é um outro” de Rimbaud resume algo típico do xamanismo? Qual a contribuição de Herberto Helder à compreensão das afinidades de poesia e xamanismo? Um poema como “o índio interior” da Invenção de Orfeu de Jorge de Lima pode ser lido como xamânico? O soneto “Versos dourados” de Gérard de Nerval é poesia xamânica? Cabem as associações de Artaud ao xamanismo?

 

Local: Rua Salvador Simões, 918, no Ipiranga Business Center (a um quarteirão da estação de Metrô Alto do Ipiranga, saída na Rua Gentil de Moura) (agradeço hospitalidade e cederem espaço)

Data e horário: Sábado, dia…

Ver o post original 421 mais palavras