Posts Tagged ‘Poetas da natureza’

Um poema ambientalista

Em 1978, o governo do Estado de São Paulo anunciou a construção de um aeroporto internacional na reserva florestal de Caucaia do Alto, adjacente a Cotia. Protestos fizeram que desistissem, optando por Guarulhos. Uma das manifestações, organizada pelo movimento Arte e Pensamento Ecológico, consistiu em ir lá. Participei. Invadimos, passamos o dia na reserva. Na volta, escrevi este poema, que saiu em Jardins da Provocação e depois em Estranhas Experiências.

Poucos dos meus poemas são explicitamente temáticos, embora a tensão do meio urbano e natureza os atravesse. Se aquele projeto tivesse sido realizado, sofreríamos mais ainda com esta onda de calor. O racionamento de água que vem aí chegaria antes. Por motivos agora evidentes, deveriam ter sido feitas outras manifestações, em defesa da Serra da Cantareira, hoje reduzida em vários trechos a uma fatia de mata, ainda assim invadida. E da Serra do Mar, é claro. Mais sobre o tema em postagens anteriores neste blog, inclusive uma intitulada “Adeus, ecocéticos”, sobre o Painel do Clima da ONU.

por mim teria ficado por lá mesmo

no altiplano

onde tudo começou

bem acima

destes bolsões de pânico

bem longe

deste mundo coagulado

na devida distância

desta fantasia sulfurosa

na qual moramos

teria ficado por lá mesmo

mergulhado na lagoa de reencontros

escavada na superfície do planeta

em sua primitiva forma

ficar por lá mesmo

encontrar o mais puro rastro vegetal

entre samambaias sem memória

cipós de sabedoria

e círculos de névoa

ficar por lá mesmo

buscar o segredo do arenito

a linguagem da pedra

percorrer o avesso da consciência

ficar por lá mesmo

nunca mais sair

deste planeta

frio e luminoso

e sempre celebrar

a redescoberta do corpo

pela planta dos pés

 

Anúncios

Lançamento: revista Celuzlose

Convido a todos para o lançamento da nova edição da Revista Literária Celuzlose. Será na próxima quinta-feira, dia 28 de junho, a partir das 19 h, no bar e restaurante Canto Madalena, à Rua Medeiros de Albuquerque 471, Vila Madalena.

Outras informações (ou as mesmas): http://celuzlose.blogspot.com.br

A julgar pela edição anterior, tudo nessa revista tem qualidade literária, editorial, gráfica. Será atraente. Inclui uma entrevista comigo, uma seleção de meu próximo livro de poemas, A verdadeira história do século 20, e meu ensaio sobre poetas da natureza.

Já postei comentário sobre entrevistas com perguntas óbvias, genéricas. Não é o caso, desta vez. Victor Del Franco, o entrevistador, efetivamente leu o que escrevo. Resultado ficou substancioso. Suas perguntas dirigem-se ao que interessa.

O ensaio “A natureza e alguns poetas” é uma condensação do curso que dei recentemente no Museu da Língua Portuguesa; ou uma ampliação da palestra que dei ano passado em Bonito, MS. Vou de William Blake até Herberto Helder e Roberto Piva. Trato de literatura e sacralização da natureza: seria redutor associar o ensaio apenas ao debate ambientalista em curso. Não obstante, a publicação neste tempo de Rio + 20 vergonhosa, além de outras ameaças, é oportuna, pertinente, sincrônica.

Editor informa que revista custará R$ 20,00 – muito razoável.

O local, Canto Madalena, fica em uma dessas ruas sinuosas da Vila. É bonito e confortável. Por mim, o lançamento podia ser em alguma Casa das Rosas ou similar. Mas o nome da rua é interessante – aliás, está errado, deveria ser Medeiros e Albuquerque, e não Medeiros de Albuquerque (alô alô, Subprefeitura de Pinheiros). Foi um poeta satanista e decadentista, representante do ambiente literário da belle époque; propagandista do simbolismo; ao mesmo tempo, membro da Academia, jurista notável, Ministro da Justiça e autor do nosso primeiro Código de Direitos Autorais. Simpatizo.

Alusões.

Venham.

Notícias do planeta

Ontem ter sido Dia do Meio Ambiente e estarmos às vésperas da Rio + 20 gerou notícias.

A mais importante, o relatório de cientistas divulgado pela ONU, mostrando que tudo vai mal, muito mal. Prever catástrofe era, umas décadas atrás, coisa de poetas visionários, Ginsberg e os beats, Piva & friends; como precursores, alguns românticos como William Blake e os transcendentalistas norte-americanos, Thoureau, Whitman, Emerson. Hoje, é tema de manifestações que desmontam a falácia retrógrada segundo a qual essa preocupação seria coisa de “ecochatos”. Mostra a hipocrisia dos argumentos de nossos parlamentares ruralistas, o cinismo de dirigentes de corporações e de governantes. O link é do Estadão, com este título: “Avanço de metas ambientais globais em 40 anos é quase nulo, mostra ONU” – mas saiu em todo lugar.

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,avanco-de-metas-ambientais-globais-em-40-anos-e-quase-nulo-mostra-onu-,883404,0.htm

Como se complementasse, essa, na página seguinte do mesmo jornal:

http://estadao.br.msn.com/ciencia/ruralistas-tentam-derrubar-mp-do-c%C3%B3digo-no-stf

Citando: “Integrantes da bancada ruralista do Congresso Nacional acionaram ontem o Supremo Tribunal Federal (STF) com um mandado de segurança para tentar derrubar a medida provisória editada pela presidente Dilma Rousseff sobre o novo Código Florestal.”. Essa turma não aceita nem mesmo avanços mínimos, tentativas tímidas de garantir alguma preservação.

E, na página seguinte, esta, pelo comentarista de ciência Fernando Reinach:

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,abelhas-intoxicadas-se–perdem-ao-voltar-para-casa-,883497,0.htm

Morte de abelhas já vinha sendo noticiada, de uns 5 anos para cá. E comentados os danos às demais espécies, pois abelhas fazem polinização. Mistério está explicado: é intoxicação, são os agrotóxicos.

Mas o mais assustador, na pauta ambiental, é mesmo a situação da vida marinha – inclusive por ser menos evidente para quem não é biólogo de vida marinha, oceanógrafo ou pescador. Vivendo em terra, é mais fácil perceber o estrago na Serra da Cantareira, por exemplo (uma vergonha como deixaram os loteamentos avançarem sobre essa reserva, do avião dá para ver direitinho), do que debaixo d’água.

Ah – em tempo: “Notícias do planeta” é título de um livro de poemas de Allen Ginsberg, da década de 1960. “Planet News”. Impressão de que, infelizmente, receberemos mais dessas notícias.

Poetas da natureza

Artigo meu intitulado “Alguns poetas da natureza, dos românticos aos contemporâneos’ publicado na Revista Celuzlose, em http://celuzlose.blogspot.com , pgs. 72 a 85.

Essa revista é muito boa, substanciosa, a começar pela entrevista de abertura, com Ruy Proença – e muitos outros artigos e poemas de interesse. Merecia circular impressa – formato de revista digital é apropriado para leitores de livros eletrônicos, porém menos funcional na tela do computador que as páginas habituais de internet, me parece.

Quanto a meu artigo, é inspirado na palestra que apresentei no festival de Bonito – MS, em julho deste ano, sobre sacralização da natureza, de William Blake a Herberto Helder e Roberto Piva. Pretendo retornar ao assunto.

Amanhã – ou em breve – devo postar algo sobre o EVENTO, relativo à EFEMÉRIDE. Aguardem.

Mais palestras? Futuros ensaios?

Gostei de dar a palestra sobre “A natureza e alguns poetas”, em Bonito – MS a 30/07. Acho que consegui articular uma boa seqüência, de William Blake até Piva e Helder – o retorno do arcaico, do sagrado primitivo, é claro. Público que compareceu também, pelo que percebi, apreciou.

O comentário é para dizer que estou à disposição de instituições culturais e afins para prosseguir, dar novas palestras sobre o tema.

Também estou à disposição de periódicos e afins.

Palestra sobre Herberto Helder, a do Centro Cultural a 20/07 que virou palestra sobre as dificuldades de dar palestra sobre Herberto Helder… – mas, pela resposta do público, parece que deu certo – já combinei de repeti-la na Letras USP (assim que tiver data, aviso) e posso fazê-la em outros lugares.

Outro tema que gostaria de retomar, a propósito de Helder e Piva (um belo par, convenhamos), seria “A poesia, o corpo, o sagrado”.

Também estou à disposição de periódicos e afins (desde que não levem décadas para sair).

Nessa questão de periódicos acadêmicos e de simpósios, encontros e afins, sou meio chato – não “submeto” e não me “inscrevo”, apenas aceito convites. Mas o presente formato de sugestão – de garrafa lançada ao mar – no caso, à blogosfera – talvez funcione.

Os poetas e a natureza: Bonito, MS

Minha entrevista sobre a palestra que darei dia 30 de julho, sábado, às 10 horas, no 12º Festival de Inverno de Bonito, Mato Grosso do Sul, intitulada “A natureza e alguns poetas românticos, modernos e contemporâneos”:

http://www.noticias.ms.gov.br/index.php?templat=vis&site=136&id_comp=1068&id_reg=148256&voltar=lista&site_reg=136&id_comp_orig=1068.

Obviamente, o tema remete à beleza natural do lugar. Pretendo repetir a palestra em ocasiões futuras.

A programação do 12º Festival de Inverno de Bonito, bem diversificada, incluindo uma arqueologia ou história do pop nacional:

http://www.festivaldebonito.com.br/